A verdade sobre o pisco sour

Estadão

21 Novembro 2009 | 15h16

Não, este post não vai desvendar qual país, Chile ou Peru, faz o melhor drinque à base de pisco; para poder afirmar algo a respeito, eu precisaria, primeiro, visitar o Peru e provar a variedade local (se meu editor estiver lendo isto e o orçamento do ano que vem ainda estiver em aberto, lembro que é importante o jornalista sempre conhecer todos os lados de uma polêmica…). O que quero dizer é que finalmente provei o pisco sour chileno, e que a clara de ovo na verdade não atrapalha em nada — algo que, diga-se de passagem, eu já devia saber.

Clara de ovo, afinal, é albumina, uma substância química que basicamente se presta a dar liga às misturas das quais faz parte e a ajudar a formar espuma. Logo, não afeta o sabor de nada, apenas a textura. Logo, o pisco sour tem gosto de pisco, bitters e limão, e só.

Continuando na nota gastronômica: hoje almocei numa lanchonete chamada Lomit’s (“lomito” e o equivalente chileno do sanduiche de pernil) e vi que eles tinham dois vidros de catchup, um com tampa branca e outro, vermelha. Se você for um pouco menos lesado que eu, já deve ter deduzido que o catchup do vidro de tampa vermelha é apimentado… Bom, resumindo, o Lomit’s vendeu um chopp a mais graças à minha lerdeza de raciocínio.sour-correct