Bye, bye Atlantis

Estadão

07 Maio 2010 | 01h54

Se não houver novos adiamentos, dia 13 o ônibus espacial Atlantis parte em sua última missão ao espaço. Trata-se do primeiro ônibus espacial a ser aposentado dentro da diretriz fixada após o desastre do Columbia, em 2003, de retirar toda a frota até o fim de 2010.

O ônibus espacial entrará para a história como uma promessa não cumprida. Concebido num momento de inflexão da política espacial americana — que, no início dos anos 70, abandonava a pretensão de seguir explorando a Lua e de levar astronautas a Marte, optando por concentrar-se na órbita terrestre —  o veículo, muitas vezes chamado de “a mais complexa ferramenta já construída pelo homem” foi apresentado como algo que viria a banalizar e democratizar as viagens espaciais.

A pretensão era realizar um voo por semana, e abrir a “fronteira econômica” da órbita terrestre e do espaço ao redor do planeta. O físico e visionário americano Gerard O’Neill criou uma proposta detalhada para a construção de hábitats orbitais, grandes cilindros giratórios onde seres humanos poderiam viver, cultivar alimentos, criar indústrias, tudo viabilizado pelos ônibus espaciais.

moonraker

Estudos foram realizados para que os grandes tanques de combustível vazios das naves fossem reaproveitados como protótipos dessas colônias celestes. A ficção científica da época — era o início da onda cyberpunk — abraçou ambos os conceitos, da vida em órbita e do desenvolvimento econômico espacial: indústrias em órbita, linhas privadas de ônibus espaciais partindo de Tóquio e Paris,  colônias em cilindros povoaram o imaginário do período.

Até James Bond se envolveu com ônibus espaciais e colônias orbitais administradas por empresários gananciosos, num dos episódios menos ilustres da série cinematográfica.

A ideia parecia tão boa na época que os próprios soviéticos tentaram criar o ônibus espacial deles, mas o Buran realizou apenas um voo. Teleguiado, ainda por cima.

Buran.2

O ônibus espacial soviético Buran

No fim, a Nasa nunca foi capaz de viabilizar a realização de um lançamento por semana,  a iniciativa privada não se animou a investir em cidades e indústrias orbitais — a despeito das tão decantadas virtudes da microgravidade — e os ônibus espaciais acabaram se mostrando, como os desastres de Challenger e Columbia evidenciaram, muito menos seguros do que havia sido prometido.

A Estação Espacial Internacional (ISS) e o Telescópio Hubble acabaram, no fim, se tornando a raison d’être da frota. Uma piada frequente diz que o ônibus espacial existe para ligar a Terra à ISS; e a ISS existe para o ônibus espacial ter para onde ir.

O fim dos ônibus espaciais será o fim de uma visão de expansão da presença humana no espaço e de desenvolvimento econômico da órbita terrestre que nunca se concretizou. Nesse aspecto, as naves são como um martelo criado para  bater um tipo muito específico de prego — um prego que nunca chegou a ser fabricado.

Ironicamente, a única tecnologia que restará, ao menos por algum tempo, para levar seres humanos ao espaço será a das velhas naves russas Soyuz, produto do país derrotado duas vezes em corridas espaciais: a para a Lua e a pela nave reutilizável. Até mesmo as cápsulas chinesas Shenzhou são derivações do antigo design soviético.

No entanto, nem mesmo os russos estão satisfeitos com a Soyuz: novos designs, como o Kliper, estão em estudo, e há até mesmo defensores da ressurreição do Buran. Vai ser interessante ver se as empresas americanas encarregadas de projetar e construir a próxima geração de veículos orbitais do país conseguirão vencer essa nova corrida.