Neve confina pesquisadores, mas navio está chegando

Estadão

01 Dezembro 2009 | 11h40

A nevasca dos últimos três dias é a mais intensa do verão antártico na memória do pesquisador Edson Rodrigues, da Universidade de Taubaté (Unitau), que faz pesquisas no continente gelado há mais de duas décadas. A tempestade da noite de segunda-feira foi tão intensa que cientistas que normalmente habitam o Refúgio 1 – uma instalação a cerca de 500 metros da Estação Antártica Comandante Ferraz – tiveram de passar a noite em alojamentos improvisados, dentro de Ferraz. A velocidade do vento e a baixa visibilidade impediram que retornassem ao refúgio após o jantar.

ferrazgelo

Normas de segurança da EACF proíbem o deslocamento ao ar livre, mesmo pelos arredores da estação, se os ventos tiverem velocidade superior a 25 nós, ou cerca de 50 km/h. Ontem houve rajadas de até 122 km/h.

Um dos “exilados” na EACF por se verem impedidos de voltar ao refúgio, Elisa Petersen, da Unisinos, trabalha num censo das áreas de reprodução de aves marinhas na Baía do Almirantado, e está sendo duplamente prejudicada pelo mau tempo: além do desconforto e da impossibilidade de ir a campo, há o fato de que a neve impede que as aves façam ninhos e ponham ovos.

elisa

Elisa Petersen, em campo na pesquisa sobre aves marinhas. Arquivo pessoal

Já a pesquisa de Rodrigues, sobre os efeitos de alterações climáticas nos peixes antárticos, depende de pescarias — que também estão suspensas pelo maus tempo. Todo o trabalho que poderia ser realizado internamente, nos laboratórios de Ferraz, já foi feito, diz ele. “Agora, estamos só cuidando da manutenção dos experimentos”.

Mas nem tudo são más notícias: o tempo pode melhorar a partir do meio-dia, e o Navio de Apoio Oceanográfico (NAp Oc) Ary Rongel tem previsão de chegada para a uma hora da madrugada desta quarta-feira. O descarregamento, um processo lento, deve começar pela manhã. Vários pesquisadores dependem de material contido nos porões do navio para dar continuidade a seus trabalhos, e uma lista de carga prioritária para ser retirada da embarcação já foi elaborada.