Quando éramos lanche

Estadão

10 Fevereiro 2010 | 14h03

Um coprólito de hiena revelou a mais antiga amostra de pelo humano já encontrada, com idade estimada em cerca de 200 mil anos. “Coprólito” é um jeito elegante de dizer “cocô fossilizado”.  O que sugere que, 200 mil anos atrás, um ser humano (ou parte de um) teve a duvidosa honra de percorrer toda a extensão do aparelho digestivo de uma hiena.

“Humano”, no caso, pode se referir tanto a uma pessoa anatomicamente moderna quanto a um de nossos ancestrais, como o Homo heidelbergensis, diz autora da descoberta, Lucinda Backwell, ao Discovery Channel.

Não se sabe se o dono dos pelos foi atacado por hienas ou se os animais apenas reviraram seus restos. De qualquer forma, trata-se de uma lembrança de uma época em que “contato com a natureza” era algo além de um banho de cachoeira no fim de semana.

Uma reportagem completa sobre a descoberta pode ser lida neste link (em inglês).