Robô vira simulador de Ferrari

Estadão

17 Agosto 2010 | 08h30

Digamos que você é um cientista italiano trabalhando no Instituto Max Planck de Cibernética Biológica, um dos principais centros europeus de pesquisa científica. Seu objetivo é estudar, por meio de simulações, como a mente humana processa a sensação de movimento. O que você faz?

Ora, é óbvio: transforma um braço robótico capaz de levantar até meia tonelada num simulador do modelo 2007 de Fórmula 1 da Ferrari! O vídeo da simulação em andamento pode ser visto abaixo:

De acordo com esta reportagem, o sistema baseado no braço-robô — originalmente um Robocoaster, projetado para uso em parques de diversão — oferece uma gama de movimentos muito maior que os simuladores atuais, usados para treinar pilotos de avião e astronautas. O Robocoaster permite, por exemplo, que o “piloto” fique de cabeça para baixo.

Os pesquisadores do Max Planck acreditam que seu “CyberMotion Simulator” pode ser usado para recriar praticamente qualquer tipo de experiência envolvendo veículos. O atraso entre comando do piloto e resposta do braço é de  40 milissegundos.