1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Adesivos para reposição hormonal são mais seguros do que pílulas

root

09 junho 2010 | 11:45

Risco de acidente vascular associado ao tratamento é reduzido em até 26% com a utilização de adesivos com baixas dosagens.

Adesivos com doses mais baixas de estrogênio oferecem risco menor de AVC em comparação aos métodos orais para a terapia de reposição hormonal.

Adesivos com doses mais baixas de estrogênio oferecem risco menor de AVC em comparação aos métodos orais para a terapia de reposição hormonal.

Adesivos com baixas doses de estrogênio, usados na terapia de reposição hormonal, podem ser mais seguros do que terapias orais, de acordo com uma pesquisa conduzida pelo Jewish General Hospital, no Canadá. O estudo mostra que o risco de acidente vascular cerebral cai em até 26%.

A terapia de reposição hormonal é prescrita para mulheres que estão sofrendo os efeitos da menopausa, mas, estudos recentes mostraram que ela pode aumentar o risco para derrames em sua forma oral. Entretanto, nenhum trabalho examinou o risco com diferentes doses ou vias de administração.

“Formas orais de estrogênio passam pelo fígado, onde podem induzir inflamação ou efeitos de coagulação que podem estar associados com eventos cardiovasculares”, explica Samy Suissa, responsável pelo estudo. “Com o adesivo, você está ‘ignorando’ o fígado”.

Contudo, o estudo realizado com mais 800 mil mulheres com idade entre 50 e 79 anos mostrou que o risco de AVC é aumentado também quando os adesivos contêm altas doses de hormônio. Administrada por via oral, a terapia de reposição hormonal aumentou o risco de derrame em até 30% em comparação com quem não se submeteu ao tratamento, independente das doses de estrogênio ou quando combinadas com progesterona.

Veja também:

- Leite pode ajudar mulher a tonificar músculos e perder gordura
- Muitas mulheres com insuficiência ovariana tem ovos imaturos
- Exercícios antes da menopausa previnem osteoporose
- Consumo de chocolate diminui risco de ataque cardíaco e derrame
- Menopausa: terapia hormonal deve ser feita por um período específico