Antibiótico usado no tratamento da acne previne reativação do vírus da aids

Minociclina reduz atividade e proliferação das células T no organismo, passos cruciais para conter a progressão da doença causada pelo HIV.

root

19 Março 2010 | 12h58

O HIV, vírus da imunodeficiência humana, age no interior das células humanas responsáveis pela defesa do organismo.

O HIV, vírus da imunodeficiência humana, age no interior das células humanas responsáveis pela defesa do organismo.

Cientistas do Johns Hopkins descobriram que um antibioótico (seguro e relativamente barato) em uso desde a década de 1970 para o tratamento da acne atua efetivamente em células infectadas do sistema imunológico em que o HIV – vírus que causa a AIDS – está inativo, prevenindo que ele se reative e replique.

A minociclina deve incrementar significativamente os tratamentos utilizados atualmente em pacientes infectados pelo HIV, se utilizada de forma combinada com um coquetel de drogas padrão conhecido como HAART (Highly Active Antiretroviral Therapy – Terapia Retroviral Altamente Ativa) ou TARV.

“O maior desafio dos médicos é manter o vírus do organismo em um estado dormente”, explica Janice Clements, pesquisadora da Johns Hopkins University School of Medicine. “Enquanto o HAART é realmente eficaz ao diminuir a replicação ativa, a minociclina é outra arma de defesa contra o vírus”.


Diferente dos medicamentos utilizados no HAART, que atuam no vírus, a minociclina age nas células T – os maiores agentes do sistema imunológico e alvos da infecção por HIV. De acordo com os pesquisadores, a minociclina reduz a atividade e proliferação das células T, passos cruciais para conter a progressão da doença.

Se tomada diariamente, a terapia antiretroviral pode proteger pacientes de doenças. Mas, definitivamente, não é a cura para a aids. O vírus HIV é mantido em um nível baixo no organismo, embora não seja completamente eliminado, permanecendo em silêncio dentro de algumas células imunológicas. Caso a pessoa pare de tomar o remédio ou suspenda uma dose, o vírus pode ser reativado, espalhando-se pelo corpo novamente.

A ideia de usar a minociclina junto com o TARV partiu da observação dos efeitos anti-inflamatórios da droga sobre células T em pacientes com artrite reumatoide. Além disso, outros estudos também mostravam que o tratamento com a minociclina tinham efeitos muito benéficos em macacos infectados com SIV, a versão do HIV em primatas.

Veja também:

Método agiliza diagnóstico em pacientes com baixa resistência
Dois tipos de vírus são encontrados em pacientes com HIV e linfoma
Nova abordagem permitirá criação de drogas potentes contra hepatite C