Anticorpos monoclonais e quimio são promessa na luta contra o câncer

Novas abordagens podem reforçar sistema imunológico dando apoio ao ataque sobre células cancerosas na quimioterapia.

root

01 Junho 2010 | 14h30

Novas Abordagens podem reforçar Sistema imunológico Dando Apoio AO Ataque Sobre células cancerosas da quimioterapia.
Novas Abordagens podem reforçar Sistema imunológico Dando Apoio AO Ataque Sobre células cancerosas da quimioterapia.

Os primeiros testes com anticorpos monoclonais combinados com as terapias já existentes se mostraram promissores no tratamento do câncer de pâncreas e câncer de mama metastático. Os resultados da pesquisa, conduzida pela Universidade da Pensilvânia, nos EUA, serão apresentados no encontro da Sociedade Americana de Oncologia Clínica, no dia 04 de junho.

As experiências foram realizadas em dois tipos de estudo. No primeiro, pacientes com câncer de mama avançado foram submetidos a uma vacina desenvolvida pela Penn com anticorpos previamente aprovados pela Food and Drug Administration – anti-CD25 mAb dacluzimab -, que atua desligando a função das células-T reguladoras no sistema imunológico, aumentando a eficácia da telomerase no combate ao tumor. A abordagem, simples, mostrou efeitos prolongados e nenhuma toxicidade. Seis de dez pacientes que receberam o tratamento tiveram a doença estabilizada.

Na segunda pesquisa, anticorpos imunológicos reforçaram o tratamento padrão contra câncer de pâncreas. Utilizando o Penn CP-870,893 (que aumenta a imunidade antitumoral celular ao ativar antígenos, provocando a liberação de citocinas inflamatórias) com quimioterapia em pacientes que não tinham recebido nenhum tratamento anterior, os pesquisadores observaram que a abordagem é promissora e não causa toxicidade significativa. Três das 21 pessoas tratadas experimentaram regressão parcial do tumor, em 11 a doença foi estabilizada inclusive em condições de metástase.

No caso do câncer de pâncreas, os resultados são especialmente promissores porque atualmente os tratamentos padrões não produzem resultados animadores. Quando ocorrem, duram apenas dois meses. A nova abordagem mostra que a resposta parece durar até seis meses.  

Veja também:

Pacientes com linfoma transformado respondem bem à lenalidomida
Nova estratégia induz resposta apropriada do corpo contra câncer
Vírus reprogramado pode encontrar, modificar ou destruir células do câncer
Decitabina pode atuar contra leucemia mieloide aguda em idosos