Astrômonos descobrem mais seis exoplanetas e uma anã marrom

Imagens obtidas pelo telescópio espacial CoRoT da Agência Espacial Francesa mostram que planetas têm características muito diversas.

root

14 Junho 2010 | 14h36

Ilustração mostra família dos 15 exoplanetas CoRoT. Em azul, os exoplanetas anteriormente descobertos. Crédito: CNES.

Ilustração mostra família dos 15 exoplanetas CoRoT. Em azul, os exoplanetas anteriormente descobertos. Crédito: CNES.

Mais seis planetas e uma anã marrom foram descobertos com a ajuda do telescópio espacial CoRot (Convection, Rotation and Transits), da Agência Espacial Francesa CNES. De acordo com o time que anunciou a novidade, os planetas têm características diversas – de pequenos similares à Saturno, até e uma anã marrom.

Abaixo, listamos os exoplanetas anunciados e suas características:

Menor de todos: CoRoT-8b


Ele tem apenas 70% do tamanho e da massa de Saturno, sendo relativamente pequeno entre os exoplanetas que transitam observados até hoje. Os pesquisadores sugerem que sua estrutura interna seja de gelo, semelhante a planetas gigantes como Urano e Netuno no Sistema Solar. É o segundo menor exoplaneta descoberto pelo CoRoT, atrás do CoRoT-7b.

O gigante excêntrico: CoRoT-10b³

Um dos poucos planetas em trânsito cuja órbita alongada permite uma incrível aproximação com sua estrela-mãe. Esta diferença na distância orbital, causada pelo formato alongado, faz com que a radiação estelar recebida pelo planeta mude em até dez vezes. A temperatura do planeta, assim, pode aumentar entre 250 e 600ºC em apenas 13 dias.

Planeta da estrela giratória: CoRoT-11b

A estrela deste planeta gira rapidamente em torno do seu eixo, completando uma rotação a cada 40 horas (em termos de comparação, o período de rotação do Sol é de 26 dias). Esta é em particular uma incrível descoberta, já que astrônomos têm muita dificuldade para identificar planetas cujas estrelas giram com tamanha velocidade.

Trio de gigantes: CoRoT-12b, 13b e 14b

Os três planetas que orbitam próximo de sua estrela têm diferentes propriedades: a 13b é menor do que Júpiter, mas duas vezes mais densa (o que sugere a presença de um núcleo rochoso maciço no interior do planeta); o 12b tem um raio 16 vezes maior do que a Terra, pertencendo ao grupo dos Júpiters quentes (cuja dimensão deve ser causada pela intensa radiação solar recebida); e finalmente a 14b, que fica mais perto da estrela-mãe, tendo o tamanho de Júpiter, massa 7,5 vezes maior.

Anã marrom: CoRoT-15b

Sua massa é cerca de 60 vezes a de Júpiter, com densidade 40 vezes maior. Por este motivo, é classificada como uma anã marrom intermediária.

Como e por que identificar um exoplaneta

Os pesquisadores conseguem este tipo de informação quando exoplanetas (planetas que estão fora do Sistema Solar) passam na frente de suas estrelas, fenômeno conhecido como “trânsito”. Uma vez que o telescópio detecta algum “trânsito”, observações adicionais são feitas pelos astrônomos.

Embora não seja possível ver os planetas diretamente, especialistas podem usar os dados coletados para medir indiretamente o tamanho, massa e órbita de forma bastante precisa. Desta maneira, é possível classificá-los como gigantes gasosos – semelhantes a Júpiter -, planetas terrestres – como a Terra -, ou intermediários como Netuno.

Cada descoberta de um exoplaneta é uma peça no quebra-cabeça do universo, fornecendo informações sobre estruturas planetárias e até mesmo sobre a formação e evolução destes mundos distantes. Nos últimos 15 anos, astrônomos descobriram mais de 450 exoplanetas, dos quais apenas 82 transitam.

Veja também:

Astrofísicos provam que satélites de Saturno são “filhotes” de seus anéis
Astrônomos seguem movimento de exoplaneta pela primeira vez
Observatório SOFIA capta primeiras imagens de Júpiter em pleno voo
Descoberta de exoplanetas desafia teoria sobre formação de planetas
Exoplaneta “frio” e similar a Júpiter é identificado pelo satélite CoRoT
Apenas 15% dos sistemas solares são como o nosso no universo
NASA identifica cinco planetas gigantes fora do Sistema Solar