Biólogos marinhos encontram nova espécie em vala profunda do oceano

Um tipo de "snailfish" da família Liparidae que vive a 7 mil metros de profundidade nunca havia sido visto ou registrado em fotos.

root

14 Outubro 2010 | 15h33

Equipe capta imagem de uma espécie nunca vista antes ou catalogada. Crédito: Universidade de Aberdeen.

Equipe capta imagem de uma espécie nunca vista antes ou catalogada. Crédito: Universidade de Aberdeen.

Uma expedição por uma das mais profundas valas do oceano Pacífico rendeu a descoberta de uma espécie completamente nova: um tipo de snailfish da família Liparidae que vive a 7 mil metros de profundidade, e que nunca havia sido visto ou registrado em fotos. A novidade foi divulgada por uma equipe de biólogos marinhos de Tóquio, Nova Zelândia e Aberdeen.

Os pesquisadores também registraram na região (que compreende parte do Peru e Chile) agrupamentos de congro-enguias e grandes catadores de crustáceos. Foram três semanas de pesquisa, a bordo do navio Sonne, utilizando uma técnica de imagem especial para o alto-mar – incluindo um sistema de câmeras que conseguiu captar 6 mil imagens entre 4500 e 8 mil metros de profundidade no interior da vala.

O trabalho revelou que diversas espécies podem viver em abundância em profundidades jamais imaginadas. Muitos animais registrados se parecem com espécies já catalogadas, embora mais pesquisa seja necessária para verificar se são novas espécies ou não. É o caso do peixe identificado como abadejo Ophidiids ou de criaturas similares ao camarão.

As descobertas devem levar a uma reavaliação da diversidade e abundância de vida em profundidades extremas. O trabalho evidencia que cada uma das valas profundas ao redor do planeta e em diferentes oceanos apresenta um conjunto único de animais que pode ser muito diferente. O isolamento de cada trincheira traçaria paralelos com a teoria da evolução baseada nos tentilhões de Darwin.

Veja também:

Minha casa, sua casa: “invasores” podem coexistir com nativos em paz
Banquete de “grandalhões” afeta vida de pequenos do fundo do mar
Fêmeas com múltiplos parceiros garantem sobrevivência da espécie
Insetos e crustáceos têm origem em ancestral comum
Sobrevivência dos “fofinhos” prova teoria da evolução de Darwin