Azeite de oliva protege e atua contra o câncer de mama e danos ao DNA

Pesquisadores compararam ingestão de azeite de oliva e óleo de milho para estudar mecanismos celulares que protegem contra o câncer.

root

30 Junho 2010 | 14h25

Pesquisadores compararam ingestão de azeite de oliva e óleo de milho para estudar mecanismos celulares que protegem contra o câncer. Crédito: Creative Commons - stu_spivack.

Pesquisadores compararam ingestão de azeite de oliva e óleo de milho para estudar mecanismos celulares que protegem contra o câncer. Crédito: Creative Commons - stu_spivack.

O azeite pode fazer muito mais do que dar aquele gostinho bom na comida: pesquisadores da Universidade Autônoma de Barcelona, na Espanha, conseguiram identificar um mecanismo-chave desencadeado pelo óleo no organismo que protege mulheres contra o câncer de mama.

A equipe mostrou que os benefícios do azeite incluem a diminuição da atividade da oncogene p21ras pela alteração das proteínas sinalizadoras, estimulação da morte de células cancerosas e prevenção de danos ao DNA. Os resultados foram observados em modelos experimentais e os pesquisadores pretendem iniciar um novo estudo com linhagens de células humanas.

O estudo comparou mecanismos de funcionamento de células do câncer induzidos pela ingestão de azeite de oliva e óleo de milho. O consumo de azeite foi associado a maior incidência de tumores mamários benignos e diminuição da atividade do gene que estimula a proliferação descontrolada de células do câncer. Além disso, o azeite suprime a atividade de algumas proteínas, como a AKT, essencial para a sobrevivência das células (impedindo o processo de morte programada da célula, ou apoptose).

Veja também:

Cientistas descobrem meio de bloquear proteína que “ajuda” células do câncer
Feto exposto a bisfenol A tem risco maior de câncer na maturidade
Vacina de DNA corta fornecimento de sangue para tumor
Consumo de álcool na adolescência aumenta risco de câncer de mama
Vitamina B6 pode reduzir risco de câncer de pulmão em até 50%
Altos níveis de vitamina D NÃO protegem contra tipos raros de câncer