Célula nova é capaz de ensinar célula velha a agir de forma jovial

Pesquisadores conseguiram demonstrar que células-tronco de ratos velhos poderiam agir como células novas se expostas a certos fatores.

root

28 Janeiro 2010 | 15h51

Shane Mayack, responsável pela pesquisa, acredita que os resultados podem ajudar a compreensão de como as células interagem durante o processo de envelhecimento, fornecendo pistas para a descoberta de tratamentos de doenças. Crédito: B.D. Colen/Harvard Staff.

Shane Mayack, responsável pela pesquisa, acredita que os resultados podem ajudar a compreensão de como as células interagem durante o processo de envelhecimento. Crédito: B.D. Colen/Harvard Staff.

Até pouco tempo atrás o envelhecimento de uma célula parecia ser um processo natural individual, ou seja, cada célula tinha um tempo de vida que, independente do resto, seria cumprido. Mas, pesquisadores da Universidade de Harvard descobriram que as coisas não funcionam bem assim. Pelo menos em se tratando de algumas células do corpo.

Em uma série de experiências os pesquisadores conseguiram demonstrar que células-tronco de ratos velhos poderiam agir como células novas mediante a exposição a certos fatores – podendo resultar também em características “mais jovens” em todo um tecido, rejuvenescendo nichos do corpo.

Estudos anteriores já tinham mostrado fortes evidências de que a função das células estaminais do sangue era modificada pelo envelhecimento, mas que também podia ser afetada por “sinais” de outras células na região da medula óssea. Um estudo ainda mais antigo demonstrou que células responsáveis pela formação do osso, conhecidas como osteoblastos, tinham um papel importante na manutenção e regeneração de células estaminais do sangue.

Para o trabalho em questão, os pesquisadores estudaram o processo de envelhecimento das células-tronco do sangue em ratos jovens e velhos. Os resultados mostram que conforme os osteoblastos ficam velhos, eles mudam os sinais que enviam a outras células-tronco, e esta mudança de comportamento faz com que as células fiquem menos capacitadas para produzir a correta proporção de células no sangue.

Em uma série de testes com ratos que compartilharam a mesma circulação sanguínea, os cientistas observaram que o mecanismo de envelhecimento pode ser revertido. Em ratos velhos “conectados” a ratos jovens, a população de osteoblastos rejuvenesceu. Este rejuvenescimento foi comunicado às células estaminais de forma expressiva, de maneira que as características das habilidades no sangue de ratos velhos se tornaram bem mais jovens.

A pesquisa é importante porque mostra como células e grupos de células podem se deteriorar com a idade, mas também que o próprio sistema circulatório oferece um imenso potencial terapêutico para problemas de idade relacionados a disfunções das células-tronco. Mais: demonstra como animais jovens, por meio da ação de um fator de crescimento do tipo insulina (IGF-1), podem rejuvenescer glóbulos envelhecidos.

Células-tronco

As células-tronco possuem a melhor capacidade de se dividir dando origem a células semelhantes às progenitoras. Células-tronco embrionárias têm a capacidade de se transformar – por meio do processo de diferenciação celular – em diferentes tecidos do corpo. São encontradas em diversas partes do corpo, como medula óssea, sangue, fígado, placenta, cordão umbilical e líquido amniótico.