Células-tronco são cultivadas sem proteínas provenientes de animais

Suecos cultivam célula-tronco em condições controladas quimicamente, sem o uso de outras células ou substâncias provenientes de animais

taniager

31 Maio 2010 | 15h09

O professor Karl Tryggvason liderou a equipe que desenvolveu o método de cultivo de células-tronco em ambiente totalmente químico. Crédito: cortesia de Camilla Svensk.

O professor Karl Tryggvason liderou a equipe que desenvolveu o método de cultivo de células-tronco em ambiente totalmente químico. Crédito: cortesia de Camilla Svensk.

Pesquisadores do Instituto Karolinksa, Suécia, conseguiram cultivar células-tronco embrionárias humanas em condições controladas quimicamente sem o uso de outras células ou substâncias provenientes de animais. A utilização do novo método impede a contaminação, muito recorrente quando as células são cultivadas em proteína animal. O artigo foi publicado na revista Nature Biotechnology recentemente.

Células estaminais embrionárias podem ser transformadas em qualquer outro tipo de célula no corpo e têm usos potenciais em tratamentos onde células doentes precisam ser substituídas. Um problema, no entanto, é que é difícil cultivar e desenvolver células estaminais embrionárias humanas sem contaminá-las. Elas são atualmente cultivadas com a ajuda de proteínas provenientes de animais, o que exclui a utilização posterior no tratamento dos seres humanos.

Como alternativa, as células-tronco podem ser cultivadas em outras células humanas, conhecidas como células alimentadoras, mas este processo libera milhares de proteínas descontroladas e, portanto, conduz a resultados de pesquisa não confiáveis.

O novo método elimina a contaminação, pois utiliza um ambiente quimicamente controlado: uma matriz de uma única proteína humana, a laminin-511.

A proteína laminin-511 faz parte do nosso tecido conjuntivo e atua no corpo como uma matriz, na qual as células podem se anexar. No embrião recém-formado, a proteína também ajuda as células estaminais a permanecerem como tais. Quando o embrião começa a desenvolver diferentes tipos de tecido, são necessários outros tipos de laminin. Mas é quase impossível extraí-las de tecidos como também é difícil sua produção.

A equipe envolvida no estudo, liderada pelo professor Karl Tryggvason, vem tentando há duas décadas clonar genes da maioria de laminins humanos. Alguns tipos foram produzidos usando tecnologia genética. Nesta experiência mais recente, os investigadores produziram laminin-511 usando técnicas de recombinação.

“Agora, pela primeira vez, podemos produzir grandes quantidades de células-tronco embrionárias humanas em um ambiente que é quimicamente definido,” diz Tryggvason. “Isso abre novas oportunidades para o desenvolvimento de diferentes tipos de células, que então poderão ser testadas no tratamento de doenças”.