Cientistas conseguem avaliar massa de neutrinos de forma mais precisa

Nada de detector de partículas: pesquisadores olham para o universo em busca de respostas para a esquiva "partícula fantasma".

root

23 Junho 2010 | 12h08

Neutrino é uma partícula sub-atómica dificilmente detectada porque sua interação com a matéria é muito fraca, sua carga é neutra e sua massa extremamente pequena. Crédito: UCL.

Neutrino é uma partícula sub-atómica dificilmente detectada porque sua interação com a matéria é muito fraca, sua carga é neutra e sua massa extremamente pequena. Crédito: UCL.

Cosmólogos da Universidade College London, no Reino Unido, estão a um passo de determinar a massa da esquiva partícula de neutrino – não usando um detector de partículas gigante, mas estudando o universo. Embora se acredite que um neutrino tenha massa, é extremamente difícil medi-la, já que ele é muito pequeno e capaz de passar um ano-luz sem acertar um único átomo. 

Novos resultados da maior pesquisa de galáxias já realizada no universo indicam que a massa total de um neutrino não é maior do que 0,28 elétrons-volt – menos de um bilionésimo da massa de um único átomo de hidrogênio. Esta é uma das medidas mais precisas já alcançadas. 

“De todos os candidatos hipotéticos para a misteriosa matéria escura, até agora os neutrinos oferecem o único exemplo de matéria escura que realmente existe na natureza”, explica Ofer Lahav, chefe do grupo de astrofísicos da UCL. “É notável que a distribuição de galáxias em escalas enormes possa nos dizer sobre a massa de neutrinos minúsculos”. 

O trabalho parte da ideia de que neutrinos têm um efeito cumulativo sobre a matéria do cosmo, em aglomerados nas galáxias. Como estas partículas são extremamente leves, movem-se no universo com muita velocidade, alterando estes aglomerados. A partir disso, cientistas são capazes de supor os limites de massa dos neutrinos. 

Isso só é possível pelo desenvolvimento do maior mapa 3D das galáxias, o Z Mega, que abrange mais de 700 mil galáxias gravadas pelo Sloan Digital Sky Survey – que consegue fazer varreduras extensas no universo conhecido. 

A partir destas informações, os cosmólogos da UCL foram capazes de estimar as distâncias de galáxias, usando um novo método que mede a cor de cada uma das galáxias. Combinando isso com flutuações de temperatura do brilho formado pela radiação após o Big Bang (o chamado Cosmic Microway Backgroud), foram capazes de colocar um dos menores limites máximos de tamanho para os neutrinos. 

“Apesar de os neutrinos comporem menos de 1% de toda a matéria, eles formam uma parte importante do modelo comológico”, explica Shaun Thomas, cuja tese resultou nas conclusões. “É fascinante que a mais esquiva e minúscula partícula consiga ter um efeito tão forte no universo”. 

Veja também: 

Estudo revela por que enormes buracos negros se tornam ativos
Estudo de nova classe de supernovas pode explicar cálcio dos ossos
Maior acelerador de partículas do mundo recria condições do Big Bang
Cientistas identificam nova espécie de supernova “monstruosa”
Material estranho encontrado em Marte intriga cientistas