Cientistas criam supercola para montar ‘legos miniaturas’ dentro do corpo

Cientistas criam supercola para montar ‘legos miniaturas’ dentro do corpo

Da redação

22 Fevereiro 2012 | 11h31

Cientistas da Universidade de Oxford, na Inglaterra, estão desenvolvendo uma supercola capaz de manter proteínas e enzimas unidas, possibilitando a construção de novas estruturas em escala nanométrica. A inspiração partiu da análise estrutural de uma proteína incomum encontrada em uma bactéria.

Todas as proteínas são formadas por aminoácidos que se ligam ao compartilhar elétrons (ligações covalentes). Essas cadeias se dobram, formando estruturas tridimensionais unidas por fracos elos bioquímicos. Entretanto, uma proteína da bactéria Streptococcus pyogenes consegue juntar os aminoácidos com uma força excepcional – o que faz dela um bom modelo para a elaboração de uma supercola para nanoescala.

De acordo com os pesquisadores, o que é ‘grudado’ pela supercola em minutos sem a ajuda de luz ultravioleta ou catalisadores (que poderiam danificar células) não se separa mais, nem se for fervido com detergente – independente da acidez do meio ou da temperatura. A ideia pode ajudar a acelerar reações químicas, dar suporte ao desenvolvimento de sistemas de fotossíntese artificial e, sobretudo, favorecer a criação de nanomáquinas, nanomotores e nanoveículos para atuarem dentro de células. Potencialmente curando doenças.


Veja também:

Materiais superquirais: luz pode torcer fitas de nanopartículas
Nova tecnologia permite transferência muito mais rápida de calor
Nanotubos de alta voltagem podem produzir ‘buracos negros’