Cientistas descobrem por que o amianto pode causar mesotelioma

Processo inflamatório particular desperta a ação de agentes mutagênicos e fatores que promovem o crescimento do tumor.

root

28 Junho 2010 | 19h55

Amianto é a denominação comercial genérica para uma variedade fibrosa de seis minerais metamórficos. Crédito: Wikipedia.

Amianto é a denominação comercial genérica para uma variedade fibrosa de seis minerais metamórficos. Crédito: Wikipedia.

Uma pessoa exposta ao amianto, uma fibra mineral natural sedosa utilizada na produção de diversos materiais, tem um risco bem maior de desenvolver mesotelioma – um tipo de câncer que afeta a pleura do pulmão e que tem como única causa conhecida a exposição ao asbesto (outro nome para o amianto). Por este motivo, a manipulação do mesmo está proibida em diversos países, embora até hoje não se soubesse claramente por que o amianto causa a doença. Agora, cientistas liderados pela Universidade do Havaí descobriram a razão.

Em artigo publicado na Proceedings of the National Academy of Sciences, os pesquisadores mostram que, ao ser inalado, o amianto mata células do corpo. Até então, nenhuma novidade. O que eles conseguiram demonstrar foi que quando a célula é morta, o amianto age em um processo denominado “necrose programada da célula” – que leva à liberação de uma molécula, HMGB1, que inicia um tipo particular de reação inflamatória. Uma vez inflamado, o local desperta a liberação de agentes mutagênicos e fatores que promovem o crescimento do tumor. Pessoas expostas ao amianto têm níveis elevados de HMGB1 no sangue.

A descoberta poderia levar ao desenvolvimento de medicamentos que atinjam esta molécula específica, prevenindo e tratando pacientes com mesotelioma. O risco também poderia ser calculado por meio de simples testes sorológicos.

Os pesquisadores já planejam testes clínicos em uma região da Capadócia, na Turquia, onde 50% da população morre da doença. A equipe quer avaliar também se medicamentos simples como aspirina e similares poderiam conter a inflamação que desencadeia o tumor.

Veja também:

Novo medicamento contra câncer de pulmão mostra bons resultados
Altos níveis de vitamina D NÃO protegem contra tipos raros de câncer
Células-tronco dão esperanças a pacientes com doenças pulmonares
Vitamina B6 pode reduzir risco de câncer de pulmão em até 50%
Brasileiros identificam biomarcador para prognóstico de câncer de pulmão