Identificado mecanismo que determina "tendência" ao vício em cocaína

Um tipo específico de material genético desempenha um papel fundamental na determinação da vulnerabilidade ao vício em drogas.

root

07 Julho 2010 | 18h19

A cocaína é um alcaloide usado como droga com efeitos anestésicos e cujo uso continuado pode causar outros efeitos indejados como dependência, hipertensão arterial e distúrbios psiquiátricos. Crédito: Wikipedia.

A cocaína é um alcaloide usado como droga com efeitos anestésicos e cujo uso continuado pode causar outros efeitos indejados como dependência, hipertensão arterial e distúrbios psiquiátricos. Crédito: Wikipedia.

Cientistas do Instituto Scripps Research descobriram que um tipo específico de material genético desempenha um papel fundamental na determinação da vulnerabilidade ao vício em cocaína. A descoberta pode oferecer uma nova abordagem para o desenvolvimento de terapias antivício.

Em estudos animais, os pesquisadores descobriram que uma molécula chamada microRNA 212 (um tipo de pequenas proteínas não-codificantes do RNA que regulam os níveis de expressão de genes, considerados “mestres” da expressão gênica) aumentou no cérebro de animais que tinham acesso contínuo à cocaína e mostrou ser capaz de controlar quanto da droga era consumida.

“A questão-chave é que este estudo pode responder por que uma pessoa é mais vulnerável aos efeitos da cocaína do que outras”, diz Paul Kenny, responsável pela equipe e professor associado do Departamento de Terapias Moleculares de Scripps na Flórida, EUA. “O que descobrimos é que um microRNA específico exerce um enorme controle sobre a resposta à droga”.

De acordo com a equipe, o aumento desse microRNA no cérebro pode proteger contra comportamentos de vício e vice-versa. Uma expressão maior do microRNA 212 é capaz de agir como um freio no desejo de tomar uma droga, o que sugere que alguns indivíduos dependentes possam apresentar um dano que impede a atuação deste microRNA.

Indo além, isso pode significar que pequenas moléculas poderão no futuro estimular a produção de um microRNA específico. Entretanto, muitas outras pesquisas são necessárias para que os pesquisadores compreendam os mecanismos envolvidos de forma detalhada, revelando novos alvos para os medicamentos.

Veja também:

“Fora” ativa regiões do cérebro relacionadas ao vício e recompensa
Vacina contra tabagismo pode ficar pronta em 2012
Cocaína pode mudar a maneira como os genes trabalham no cérebro