Cocaína pode mudar a maneira como os genes trabalham no cérebro

O uso prolongado de cocaína pode causar mudanças permanentes na maneira como os genes são “ligados” e “desligados” no cérebro. Tal descoberta pode conduzir pesquisas mais efetivas para o tratamento de diferentes tipos de doenças.

csasso

11 Janeiro 2010 | 12h17

O uso prolongado de cocaína pode causa mudanças permanentes na maneira como os genes são “ligados” e “desligados” no cérebro. Tal descoberta pode conduzir pesquisas mais efetivas para o tratamento de diferentes tipos de doenças.
Um estudo realizado em um rato pelo pesquisador Ian Maze e seus colegas, da Escola Monte Sinai de Medicina, em Nova York, mostrou que o foi descoberto que o vicio cronico da cocaína mantem uma enzima especifica fazendo seu trabalho de bloquear outros genes no circuito de prazer do cérebro, fazendo os ratos desejarem ainda mais a droga. O estudo ajuda a explicar como o uso de cocaína muda o cérebro.
De acordo com os cientistas, um grupo de ratos recebeu repetidas doses de cocaína e outro grupo recebeu doses frequentes de salina e uma única dose de cocaína. Eles descobriram que, de alguma maneira, a droga altera circuitos reprimindo o gene 9A, que faz uma enzima responsável por um buraco no “liga e desliga” de genes.

O uso prolongado de cocaína pode causar mudanças permanentes na maneira como os genes são “ligados” e “desligados” no cérebro. Tal descoberta pode conduzir pesquisas mais efetivas para o tratamento de diferentes tipos de doenças.

Reprodução

Um estudo realizado em um rato pelo pesquisador Ian Maze e seus colegas, da Escola Monte Sinai de Medicina, em Nova York, mostrou que foi descoberto que o vício crônico da cocaína mantém uma enzima específica fazendo seu trabalho de bloquear outros genes no circuito de prazer do cérebro, fazendo os ratos desejarem ainda mais a droga. O estudo ajuda a explicar como o uso de cocaína muda o cérebro.

De acordo com os cientistas, um grupo de ratos recebeu repetidas doses de cocaína e outro grupo recebeu doses frequentes de solução salina e uma única dose de cocaína. Eles descobriram que, de alguma maneira, a droga altera circuitos reprimindo o gene 9A, que faz uma enzima responsável por um buraco no “liga e desliga” de genes.