Chá verde é eficaz para tratar transtorno genético grave e tumores

Compostos do chá são poderosos bloqueadores da desidrogenase glutâmica envolvida em doença mortal, o Hiperinsulinismo.

taniager

16 Agosto 2011 | 11h53

Diagrama de fitas de desidrogenase glutâmica com cada uma das subunidades idênticas representada em cor diferente. As esferas laranja representam o substrato e as amarelas denotam a localização dos compostos de chá verde ligados à enzima. Crédito: Donald Danforth Plant Science Center.

Diagrama de fitas de desidrogenase glutâmica com cada uma das subunidades idênticas representada em cor diferente. As esferas laranja representam o substrato e as amarelas denotam a localização dos compostos de chá verde ligados à enzima. Crédito: Donald Danforth Plant Science Center.

Um composto encontrado no chá verde é a grande promessa para o desenvolvimento de medicamentos para tratar dois tipos de tumores e uma doença mortal congênita. A descoberta é o resultado de pesquisa liderada por Thomas Smith do Centro de Ciência da Planta Donald Danforth, EUA, e realizada em conjunto com seus colegas do? The Children’s Hospital of Philadelphia?. O artigo do estudo, “Green Tea Polyphenols Control Dysregulated Glutamate Dehydrogenase In Transgenic Mice By Hijacking The ADP Activation Site”, foi publicado no The Journal of Biological Chemistry recentemente.

A desidrogenase glutâmica (GDH) é encontrada em todos os organismos vivos e é responsável pela digestão dos aminoácidos. Em animais, o GDH é controlado por uma complexa rede de metabolitos – produtos ativos, ou não, do metabolismo. O porquê de apenas o reino animal necessitar desta regulação, mas outros reinos não, era desconhecido. Isto foi parcialmente respondido pelo grupo da Stanley ao descobrir que uma doença mortal congênita, Hiperinsulinismo/Hiperamonemia (HHS), é causada pela perda de alguma desta regulação. Nesta desordem, os pacientes (tipicamente crianças) respondem ao consumo de proteína secretando muito mais insulina que o normal, o que os tornam severamente hipoglicêmicos, podendo, muitas vezes, levar à morte.

Usando estruturas atômicas para entender as diferenças entre animais e plantas, os pesquisadores descobriram que dois compostos encontrados naturalmente no chá verde eram capazes de compensar esta desordem genética desativando o GDH ao isolá-lo e quando os compostos de chá verde eram administrados por via oral. A equipe também usou cristalografia de raios-X para determinar a estrutura atômica destes compostos ligados à enzima. Com esta informação atômica, os pesquisadores esperam ser capazes de modificar esses compostos naturais para projetar e desenvolver drogas melhores.

Representação da superfície de desidrogenase glutâmica (GDH) com cada uma das seis subunidades idênticas representada por uma cor diferente. Também é mostrado o local do ECG, um importante composto encontrado no chá verde. Parece que o ECG inibe o GDH ao se ligar à parte traseira da parte ativa, forçando-o a se abrir. Isso efetivamente desliga a enzima. Outros estudos mostraram que estes compostos de chá verde são eficazes em desligar a enzima em tecido e em animais inteiros. Isto não só trata a desordem congênita mortal, mas também é útil no tratamento de pelo menos dois tipos de tumores. Crédito: Donald Danforth Plant Science Center.

Representação da superfície de desidrogenase glutâmica (GDH) com cada uma das seis subunidades idênticas representada por uma cor diferente. Também é mostrado o local do ECG, um importante composto encontrado no chá verde. Parece que o ECG inibe o GDH ao se ligar à parte traseira da parte ativa, forçando-o a se abrir. Isso efetivamente desliga a enzima. Outros estudos mostraram que estes compostos de chá verde são eficazes em desligar a enzima em tecido e em animais inteiros. Isto não só trata a desordem congênita mortal, mas também é útil no tratamento de pelo menos dois tipos de tumores. Crédito: Donald Danforth Plant Science Center.

Curiosamente, dois outros grupos de pesquisa validaram e estenderam estas conclusões para demonstrar que o bloqueio de GDH com chá verde é muito eficaz para matar dois tipos diferentes de tumores: glioblastoma, um tipo agressivo de tumor cerebral; e transtorno complexo de esclerose tuberosa, uma doença genética que provoca o crescimento de tumores não malignos em vários órgãos.

“Enquanto estes compostos de chá verde são extremamente seguros e consumidos por milhões de pessoas todos os dias, também possuem um número de propriedades que os tornam difícil de serem usados em drogas reais. No entanto, nossa colaboração em curso com o laboratório Stanley mostra que são compostos naturais de plantas que podem controlar esta doença mortal e sua estrutura atômica poderia ser usada como ponto de partida para a concepção de medicação mais eficaz.”