Conhecido remédio antifúngico diminui tumores em roedores

Itraconazol inibe via molecular que é importante para o desenvolvimento fetal e que também auxilia a progressão de muitos cancros.

root

12 Abril 2010 | 16h25

Philip Beachy, autor sênior do estudo que mostra potencial de droga antifúngica para o tratamento de tumores. Crédito: Stanford School of Medicine.

Philip Beachy, autor sênior do estudo que mostra potencial de droga antifúngica para o tratamento de tumores. Crédito: Stanford School of Medicine.

Um remédio antifúngico bastante popular retarda o crescimento de tumores em ratos e pode se mostrar útil no tratamento do câncer em seres humanos, de acordo com cientistas da Universidade de Stanford, EUA. O itraconazol inibe uma via molecular que é importante para o desenvolvimento fetal e que também auxilia a progressão de muitos cancros. E porque funciona em doses que já são aprovadas para o uso em pessoas, a droga pode estar perto de ser testada em ensaios clínicos para outras doenças.

Philip Beachy, autor sênior do estudo publicado no Cancer Cell, passou muitos anos procurando entender melhor a via de sinalização Hedgehog – uma série de eventos moleculares que ajudam as células de um embrião a se tornarem tecidos específicos, sabendo onde estão no corpo por detecção de sinais externos chamados proteínas Hedgehog (Hh).

Proteínas Hedgehog

As proteínas Hedgehog foram primeiramente identificadas em moscas de frutas, onde mostraram ter um papel-chave no desenvolvimento das larvas. Em ratos, foram associadas ao desenvolvimento adequado de cérebro, músculos e outros órgãos. Pesquisas também já mostraram que elas atuam de alguma maneira sobre as células-tronco adultas, indicando o rumo da diferenciação e regeneração de alguns tecidos.

Destes estudos, os pesquisadores entenderam que as proteínas Hedgehog ativadas se ligam à superfície celular de uma proteína chamada “Patched”. Isso estimula a liberação de outra proteína chamada “Smoothened”, que passa a ser acumulada em uma estrutura celular específica conhecida como cílio primário, onde provoca a ativação de outra proteína. Finalmente, essa proteína regula como os genes das células expressam uma resposta a determinado estímulo.  

Ação do itraconazol

Embora o itraconazol não consiga eliminar um tumor inteiro sozinho, os pesquisadores acreditam que tratamentos combinados com a mesma abordagem possam ser uma boa opção. A droga inibe a ativação e migração do Smoothened para o cílio. Essa capacidade de inibir uma via Hedgehog é diferente de sua ação antifúngica.

Em roedores, os pesquisadores descobriram que o tratamento oral do itraconazol reduziu significativamente o crescimento de tumores implantados debaixo da pele por mais de 18 dias. Em contrapartida, os tumores já tinham crescido tanto nesse período que os animais tiveram que ser sacrificados. A adição de ciclopamina aumentou ainda mais o efeito, mostrando que o trabalho de dois medicamentos poderia interferir na via de formas diferentes, mas complementares.

Beachy e seus colegas estão agora discutindo o uso do itraconazol em ensaios clínicos em pacientes com câncer de pele ou do aparelho urinário. “Pode ser possível que com dois compostos possamos obter um tratamento mais potente, mesmo que em concentrações mais baixas”, diz Beachy. “Se conseguirmos, é possível que existam muitos pacientes que possam ser tratados em breve”.

Veja também:

Grupo de moléculas que combate metástase e infecções é descoberto
Câncer de pâncreas: composto com quimio pode ser arma potente
Biomarcadores podem iniciar era de terapias personalizadas