Música e bilinguismo retardam efeitos do envelhecimento

Música e bilinguismo retardam efeitos do envelhecimento

Da redação

07 Novembro 2013 | 21h32


Cérebros de idosos que tiveram aulas de música quando crianças, mesmo que não tenham tocado nenhum instrumento musical por décadas, respondem mais rápido ao som da fala do que pessoas sem base musical. A habilidade, importante para interpretar o que outra pessoa diz, é inevitavelmente comprometida ao longo dos anos. Mas em indivíduos ‘musicais’, o processo é mais lento, conforme mostrou uma pesquisa realizada pela Universidade Northwestern, nos EUA. Um artigo sobre o trabalho foi publicado no periódico científico Journal of Neuroscience.

Mais. Falar um segundo idioma também pode retardar a demência. Uma pesquisa realizada pela Universidade de Edimburgo, no Reino Unido, e o Instituto de Ciências Médicas Nizam, na Índia, mostra que mesmo analfabetos podem ser beneficiados com o bilinguismo, o que significa que o efeito protetor não depende da educação, gênero ou região em que um indivíduo mora. A equipe acredita que diferentes sons, palavras, conceitos, estruturas gramaticais e normas sociais são como exercícios para o cérebro.

Veja também:

Rap pode ajudar a controlar a pressão sanguínea
Trabalho associa uso de Viagra e perda da audição
Pessoas com Alzheimer memorizam melhor mensagens cantadas