Consumo de álcool na adolescência aumenta risco de câncer de mama

Garotas que tomam cervejinhas com frequência devem ficar alertas para o problema, já que fase é marcada por proliferação nos tecidos das mamas.

root

12 Abril 2010 | 14h20

Adolescentes costumam exagerar na dose. Entretanto, novo estudo mostra que jovens devem ficar alerta ao risco de desenvolver câncer de mama no futuro. Crédito: WUSTL.

Adolescentes costumam exagerar na dose. Entretanto, novo estudo mostra que jovens devem ficar alerta ao risco de desenvolver câncer de mama no futuro. Crédito: WUSTL.

Garotas e mulheres jovens que consomem uma cervejinha com certa frequência devem tomar um pouco mais de cuidado, já que uma pesquisa da Faculdade de Medicina da Universidade de Washington, EUA, mostra que esse consumo pode aumentar o risco de desenvolver tumores benignos nos seios. Estes, por sua vez, aumentam as chances para o câncer de mama.

“Nosso estudo mostrou claramente que o risco para o tumor benigno dos seios aumenta de acordo com a quantidade de álcool ingerida entre jovens”, diz Graham Colditz, que também atua no hospital Barnes-Jewish. “Esse trabalho é um indicativo que o álcool deveria ser limitado entre adolescentes e jovens adultos e que isso deve fazer com que nossas atenções se voltem a esses anos como forma de prevenção do câncer de mama mais tarde”.

Cerca de 80% dos tumores nos seios são benignos. Mas a lesão formada por eles pode ser um passo para que o tecido saudável seja invadido por células cancerosas.

Os pesquisadores começaram o estudo observando meninas entre nove e 15 anos, seguindo-as de 1996 a 2007. Quase 7 mil participantes foram analisadas. Os resultados mostram que jovens que consomem bebidas alcoólicas entre seis a sete dias na semana têm quase seis vezes mais chances de apresentar um tumor nos seios do que moças que não bebem ou que consomem drinks com menos frequência. Quem bebe de três a cinco dias tem três vezes mais chance de apresentar o problema.

“Sabemos de outros estudos que mulheres adultas que ingerem álcool têm maior risco de câncer de mama”, diz Colditz. “Mas, muitas mulheres começam a beber na adolescência, na hora em que o tecido de mama está passando por fases de rápidas proliferações”.

Veja também:

Menopausa: terapia hormonal deve ser feita por um período específico
Exposição ao bisfenol A pode desencadear problemas de fertilidade
Assinatura no gene pode indicar se câncer é resistente à quimioterapia
Cientistas sintetizam família única de compostos anticancerígenos
Redução de açúcar prolonga vida de célula saudável e encurta vida de célula cancerosa