"Conversa cruzada" no cérebro pode ser responsável por respostas lentas

Corpo caloso, responsável por equilibrar a conversa entre os dois lados do cérebro, permite burburinho em excesso durante envelhecimento.

root

19 Agosto 2010 | 00h03

Área circulada em vermelho, na imagem esquerda, mostra a conversa cruzada entre dois hemisférios de cérebro de pessoa idosa. À direita, cérebro de uma pessoa jovem. Crédito: Rachael Seidler.

Área circulada em vermelho, na imagem esquerda, mostra a conversa cruzada entre dois hemisférios de cérebro de pessoa idosa. À direita, cérebro de uma pessoa jovem. Crédito: Rachael Seidler.

De acordo com pesquisadores da Universidade do Michigan, nos EUA, as conexões cerebrais também enfraquecem durante o envelhecimento, abrandando a resposta física ao longo dos anos.  Esta diminuição está associada a uma transformação no corpo caloso, parte do cérebro que atua como uma barreira durante atividades motoras unilaterais para impedir a conectividade indesejada ou “conversas paralelas” entre os dois lados do órgão.

Em determinadas ocasiões, que a comunicação “cruzada” é desejada, o corpo caloso age como uma ponte – melhorando certas funções cognitivas ou motoras.

O estudo mostrou que a tal “conversa cruzada” ocorre mesmo quando indivíduos mais velhos estão em repouso. Este burburinho sugere que talvez não seja muito útil para ambos os lados do cérebro se comunicarem durante os movimentos de um lado, já que o lado oposto do cérebro controla a parte do corpo que está se movendo. Então, quando as duas metades conversam simultaneamente enquanto um lado do corpo tenta se mover, há confusão e respostas mais lentas.

Pesquisas anteriores já demonstraram que a comunicação cruzada durante alguns testes motores aumentam com a idade, mas não se sabia exatamente como isso poderia ajudar ou piorar as funções desempenhadas pelo cérebro. “Conversa cruzada não é uma função de um difícil teste, porque nós vemos essas mudanças no cérebro quando as pessoas não estão se movendo”, explica Rachael Seidler, responsável pelo estudo.

Em algumas doenças em que o corpo caloso está muito deteriorado, como em pessoas com esclerose múltipla, é possível observar movimentos do tipo “espelho” durante testes motores unilaterais – quando os dois lados se movem ao mesmo tempo porque há muita comunicação entre os dois hemisférios do cérebro. Isso também ocorre em crianças antes que o corpo caloso esteja completamente desenvolvido.

Para chegar às conclusões, a equipe submeteu participantes de 65 a 75 anos a jogos dejoysticks, comparando com o resultado de um grupo formado por indivíduos de 20 a 25 anos. Então, os pesquisadores usaram ressonância magnética para observar a oxigenação (atividade) em diferentes partes do cérebro. “Quanto mais recrutavam o outro lado do cérebro, mais lenta era a resposta”, ressalta Seidler.

O trabalho sugere que a reconstrução ou a manutenção do corpo caloso poderia, no futuro, limitar o excesso de comunicação entre os hemisférios, diminuindo os sintomas que chegam com a idade. Um estudo anterior demonstrou que exercícios aeróbios ajudaram indivíduos a recuperarem danos no corpo caloso.

Veja também:

Homens homossexuais têm mais facilidade para reconhecer rostos
Proteína que ajuda formação do cérebro restaura danos de esclerose
Pesquisadores encontram nova pista para doenças neurodegenerativas