Tem verme que não muda nunca: Osedax existe há 30 milhões de anos

Perfurações em fragmento de osso de baleia mostram que ser que habita o fundo mar não evoluiu nem na forma nem no tamanho.

taniager

20 Abril 2010 | 13h34

Este fragmento de osso de baleia de 30 milhões de anos apresenta perfurações circulares de meio milímetro de diâmetro feitas pelo Osedax. Crédito: cortesia da Universidade de Kiel, Alemanha.

Este fragmento de osso de baleia de 30 milhões de anos apresenta perfurações circulares de meio milímetro de diâmetro feitas pelo Osedax. Crédito: cortesia da Universidade de Kiel, Alemanha.

Cientistas encontraram traços de Osedax, um verme que se alimenta de ossos, em fóssil de baleia de 30 milhões de anos. Ele já era conhecido desde que foi primeiramente encontrado em uma carcaça de baleia a uma profundidade de 2891 metros na baía de Monterey na Califórnia em 2002. Mas o que não se sabia era sua idade geológica.

Um fóssil de baleia datado de 30 milhões de anos encontrado em uma região muito profunda do mar é o primeiro a apresentar evidências de perfurações feitas por Osedax. O achado levou a equipe internacional de cientistas liderada pelo paleontologista Steffen Kiel na Universidade de Kiel, na Alemanha, a concluir que esses vermes são, pelo menos, tão antigos quanto o fóssil.  Este resultado foi publicado na edição atual da revista científica Proceedings da Academia Nacional de Ciências dos EUA em 19 de abril de 2010.

O mais surpreendente da descoberta é que o Osedax ainda é encontrado vivo com a mesma forma e tamanho de milhões de anos atrás. As provas dos furos e cavidades feitas pelos vermes vivos foram fornecidas por Greg Rouse (Scripps Institution of Oceanography), um dos descobridores do Osedax.


Os ossos fossilizados foram “escaneados” para produzir imagens precisas das escavações feitas pelo Osedax. Esses ossos pertencem aos antepassados de nossas baleias modernas e sua idade foi determinada usando o índice de co-ocorrência para fósseis.  Steffen Kiel, que tem trabalhado na história de fósseis e de suas evoluções nos ecossistemas de regiões profundas do oceano por muitos anos, explica que a idade desses fósseis coincide com o momento em que as baleias começaram a habitar o mar aberto. Somente em mar aberto é que as baleias mortas podem afundar tão profundamente e servir como alimento para os vermes de ossos. “O alimento é extremamente raro nas vastas profundezas do mar e o aparecimento simultâneo de baleias e de Osedax mostra que mesmo sendo duros, os ossos de baleia foram rapidamente utilizados como fonte de alimento”.

Jim Goedert, quem descobriu a ossada, e Steffen Kiel já fizeram várias viagens de campo à costa do Pacífico, EUA. Ela é uma área geologicamente ativa onde os sedimentos ricos em fósseis são continuamente levantados nos processos tectônicos das placas.

Mas os paleontólogos de vertebrados não se animaram com a descoberta da idade do Osedax. Pelo contrário, a descoberta evidencia a destruição de grande potencial de fósseis de baleias.

Veja também:
Novo dinossauro é descoberto por paleontólogos nos Estados Unidos
Pesquisadores conseguem descobrir cor das penas de dinossauro
Genoma de homem já extinto é sequenciado em detalhes