Divórcio afeta mais a saúde de jovens do que a de pessoas mais velhas

Divórcio afeta mais a saúde de jovens do que a de pessoas mais velhas

Da redação

30 Janeiro 2012 | 21h57

Ninguém é capaz de sair completamente ileso de um divórcio. Contudo, os mais novos tendem a sofrer mais: um estudo realizado pela Universidade Estadual de Michigan, nos EUA, mostra que o processo de separação afeta menos a saúde de quem já passou por diversos carnavais.

“Eu esperava que o divórcio gerasse menos estresse nos mais novos, já que a separação é mais prevalente nesta geração”, diz a socióloga Hui Liu, responsável pelo trabalho. No entanto, ao relacionar a saúde de mais de mil norte-americanos que passavam pelo processo de divórcio, a pesquisadora observou que as pessoas entre 35 e 41 anos relatavam mais problemas de saúde do que os que tinham entre 44 e 50 anos.

De acordo com a pesquisadora, a explicação estaria no fato de que em gerações anteriores a pressão pela manutenção do casamento era mais forte. Dessa maneira, a separação – mesmo que tardia – acaba tendo um caráter libertador. Em vez de sofrerem, as pessoas mais velhas tendem a se sentir aliviadas por colocar um ponto final em algo que teria sido imposto socialmente.