Inibidor de síntese de serotonina no intestino cura osteoporose em ratos

Doses diárias de um composto experimental estacionou o desenvolvimento da doença e reverteu o quadro da doença em roedores.

root

08 Fevereiro 2010 | 16h13

Em pessoas jovens, o osso é duro e resistente. Após os 20 anos de idade, a produção de massa óssea tende a diminuir.

Em pessoas jovens, o osso é duro e resistente. Após os 20 anos de idade, a produção de massa óssea tende a diminuir.

Uma equipe de pesquisadores internacionais liderada por membros da Columbia University Medical Center curou ratos com osteoporose através de doses diárias de um composto experimental que inibe a síntese de serotonina no intestino.

Pesquisas recentes mostraram que a serotonina no intestino (embora esteja sempre associada ao cérebro, 95% da serotonina de um corpo é encontrada no intestino) auxilia a formação dos ossos. Esta última descoberta pode levar a novas terapias para construir novos ossos, ao passo que as drogas atuais podem apenas evitar o colapso de um osso envelhecido.

“Novas terapias que inibem a produção de serotonina no intestino têm o potencial de se tornaram uma nova classe de drogas que auxiliem o arsenal terapêutico contra a osteoporose”, diz Gerard Karsenty, autor do artigo publicado na Nature Medicine.

A osteoporose é uma condição do corpo em que os ossos se tornam frágeis e porosos, aumentando o risco de quebra. É diagnosticado quando a massa óssea diminui a um certo nível, e causa receio em milhares de pessoas que estão envelhecendo – especialmente mulheres após a menopausa.

Os ossos passam constantemente por renovações. O organismo possui células responsáveis pela remoção de “material antigo” e células responsáveis pela criação de novos ossos.

A osteoporose ocorre quando há diminuição drástica da massa óssea, facilitando a quebra dos ossos.

A osteoporose ocorre quando há diminuição drástica da massa óssea, facilitando a quebra dos ossos.

Em algumas pessoas, o equilíbrio entre a formação óssea e o envelhecimento de massas ósseas tende a ser alterado após os 20 anos de idade. A taxa de declínio em mulheres após a menopausa aumenta muito, devido a quedas dos níveis de estrogênio e hiperatividade das células responsáveis por desfazer o osso velho.

Baseado em estudos, a equipe sugeriu que um inibidor da síntese de serotonina pode ser um tratamento eficaz contra a osteoporose. Encontrando uma droga conhecida como LP533401, passaram a administrá-la em pequenas doses diárias (via oral) por mais de seis semanas em roedores com osteoporose na pós-menopausa.

Os resultados demonstraram que o desenvolvimento da osteoporose cessou e curou ratos com osteoporose em estágio avançado.

O mais importante: os níveis de serotonina no cérebro não foram alterados, indicando que o composto não se espalhou e não cruzou a barreira entre o sangue e o cérebro, evitado possíveis efeitos colaterais. A pesquisa ainda deve ser realizada em humanos.

Veja também:

Gel recupera cartilagem com ajuda de células-tronco