Enigma quente: sol permanece com o mesmo diâmetro há 12 anos

Grupo internacional de astrônomos (incluindo brasileiro) descobre que Sol está quase do mesmo tamanho há mais de uma década.

root

13 Maio 2010 | 18h57

Disco solar mostrando região ativa 10.486. Crédito: Universidade do Havaí.

Disco solar mostrando região ativa 10.486. Crédito: Universidade do Havaí.

Um grupo internacional de astrônomos, incluindo o pesquisador brasileiro Marcelo Emilio, liderado pela Universidade do Havaí, EUA, descobriu que o tamanho do Sol tem sido constante. O seu diâmetro permaneceu praticamente o mesmo nos últimos 12 anos.

“Esta constante é desconcertante, dada a violência das mudanças que vemos todos os dias na superfície do Sol e as flutuações que ocorrem ao longo de um ciclo solar de 11 anos”, diz Jeff Kuhn, diretor adjunto do Instituto de Astronomia da Universidade do Havaí em Manoa.

De acordo com os pesquisadores, entender o Sol é uma forma de entender também o clima na Terra. Para isso, eles utilizam a sonda Solar and Heliospheric Obsevatory (SOHO) – uma missão não-tripulada da Agência Espacial Europeia e da NASA lançada no final de 1995 para estudar o Sol – para monitorar o diâmetro da nossa estrela gigante. Em breve, repetirão a experiência com o Solar Dynamics Observatory (SDO), lançado em fevereiro.

A equipe espera desvendar o enigma a partir de uma sondagem em escala menor da superfície solar, utilizando o Advanced Technology Solar Telescope (ATST), programado para completar o trabalho em 2017.

“Para ser capaz de prever o que o Sol vai fazer, precisamos de ambos: a visão geral e os detalhes”, explica o pesquisador. “Como os poderosos furacões na Terra que começam com uma brisa suave, os análogos de tempestades terrestres começam no Sol como pequenas torções no campo magnético”.

Veja também:

Berço cósmico deve entreter astrônomos nos próximos meses
Buracos negros funcionam como monstruosos ventiladores do universo
Planck revela imagens supreendentes da nebulosa de Órion e Via Láctea
Telescópio LOFAR promete torrente de novas descobertas