Anticorpo criado bloqueia atividade prejudicial de proteína em pulmão

Pesquisa realizada com camundongos sugere um novo alvo para o desenvolvimento de medicamentos contra doenças pulmonares.

root

16 Maio 2011 | 17h20

Uma equipe internacional de pesquisadores identificou uma proteína – EMAPII – que parece desempenhar um papel fundamental no enfisema relacionado ao tabagismo e criou um anticorpo que bloqueia a sua atividade. É o que afirmam cientistas da Universidade de Indiana, nos EUA, envolvidos no trabalho. A pesquisa, realizada com camundongos, sugere um novo alvo para o desenvolvimento de medicamentos contra doenças pulmonares.

A EMAPII é uma espécie de célula-molécula sinalizadora que faz naturalmente parte do processo do desenvolvimento pulmonar precoce. Anteriormente, pesquisadores tinham descoberto que ela poderia causar a morte das células endoteliais e causar inflamação. Mas em ratos expostos à fumaça de cigarro, testes mostraram que os níveis da citocina EMAPII eram mais elevados, assim como nos pulmões de pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica. Além disso, a equipe descobriu que a morte celular causada pela proteína resultou na liberação de enzimas que causam a produção de mais EMAPII – causando um ciclo vicioso de níveis elevados de citocina e maior morte celular.

A equipe então criou um anticorpo projetado para alvejar especificamente a EMAPII e bloquear a sua atividade. Camundongos receberam uma versão do anticorpo que poderia ser inalada durante o terceiro mês de “fumaça”. Em seguida, foram expostos à fumaça durante mais um mês sem o tratamento. Animais que receberam o tratamento tiveram morte celular e inflamação significativamente menor e apresentaram melhoras na função pulmonar em comparação aos ratos fumantes que não tinham recebido tratamento. Mais: os benefícios aos camundongos tratados continuaram mesmo após a interrupção do tratamento.