Identificada interação essencial para replicação do vírus da hepatite C

Descoberta sugere novo método de inibição da produção do vírus e um potencial alvo de terapia para drogas contra a infecção.

root

29 Dezembro 2010 | 11h58

Apenas humanos e chipanzés são infectados pelo vírus da hepatite C, dificultando o trabalho de pesquisadores. Crédito: Helmholtz-Center for Infection Research.

Apenas humanos e chipanzés são infectados pelo vírus da hepatite C, dificultando o trabalho de pesquisadores. Crédito: Helmholtz-Center for Infection Research.

Pesquisadores do Scripps Research Institute identificaram uma interação molecular entre uma proteína estrutural do vírus da hepatite C e uma proteína com um importante papel da replicação viral. A descoberta sugere um novo método de inibição da produção do vírus e um potencial novo alvo de terapia para drogas contra a infecção.

O vírus da hepatite C já infectou entre 130 e 170 milhões de pessoas em todo mundo, sendo a causa de uma epidemia de cirrose hepática e câncer do fígado. Porque os tratamentos atuais contra a infecção são apenas parcialmente eficazes, uma série de novas alternativas – valendo-se de mecanismos moleculares muito específicos – está sendo proposta com novos alvos terapêuticos.

O estudo em questão ressalta o papel essencial de uma proteína viral na organização de partículas infecciosas. “Mesmo que a conclusão de que o núcleo do vírus da hepatite C interage com a proteína não-estrutural helicase não foi totalmente inesperada, isso realmente não tinha sido confirmado até hoje”, diz Donny Strosberg, professor da Scripps Florida e responsável pelo trabalho. “Mas, o mais excitante nisso tudo é que os inibidores de dimerização da pequena molécula (a junção de duas subunidades idênticas) do núcleo realmente inibem a interação entre o núcleo e a helicase, possivelmente impedindo a produção de uma partícula infecciosa viral”.


Um dos maiores problemas em encontrar inibidores para o vírus da hepatite C é a taxa muito alta de mutação do vírus. Um vírus RNA como o da hepatite C pode sofrer mutação estimada em até um milhão de vezes mais que um vírus DNA, como o do herpes. Tendo isso em mente, os pesquisadores passaram a analisar a proteína do núcleo, a que mais se conserva entre todos os genótipos de vírus da hepatite C.

O núcleo desempenha vários papéis essenciais no ciclo viral dentro da célula hospedeira. É particularmente importante na montagem do nucleocapsídeo ou capsídeo da hepatite, um passo fundamental na formação de partículas virais infecciosa, e também interage com uma série de proteínas celulares, possivelmente contribuindo para o desarmamento de vários mecanismos de defesa do corpo.

Ao realizar novos testes quantitativos para o acompanhamento das interações entre proteínas com o objetivo de especificar inibidores de dimerização do núcleo, que bloqueiam a produção de vírus, os pesquisadores descobriram peptídeos derivados da proteína do núcleo da hepatite C que inibem não apenas a dimerização da proteína do núcleo, como também a própria produção do vírus.

Scripps Research team identifies interaction essential for replication of hepatitis C virus