Estimulação na medula promove movimentos voluntários

Rob Summers, paraplégico, pode dar passos repetidos em uma esteira quando auxiliado por um suporte e alguma ajuda do terapeuta.

taniager

20 Maio 2011 | 11h37

Rob Summers consegue ficar em pé com ajuda de um suporte e movimentar voluntariamente suas pernas com assistência de terapeuta. Crédito: University of Louisville.

Rob Summers consegue ficar em pé com ajuda de um suporte e movimentar voluntariamente suas pernas com assistência de terapeuta. Crédito: University of Louisville.

A Universidade de Louisville nos Estados Unidos anunciou um feito inédito que é resultado de 30 anos de pesquisas envolvendo a paralisia: um voluntário paraplégico foi capaz de permanecer em pé e dar alguns passos. O estudo foi publicado na revista britânica The Lancet ontem.

Rob Summers, de 25 anos, foi completamente paralisado abaixo do peito após ser atingido por um veículo em um acidente em julho de 2006. Hoje, ele é capaz de ficar em pé ao fornecer um impulso aos músculos por conta própria. Ele pode permanecer em pé e sustentar o próprio peso por quatro minutos de cada vez (até uma hora com ajuda). Auxiliado por um suporte e alguma ajuda do terapeuta, pode dar passos repetidos em uma esteira. Ele também pode mover seus dedos dos pés, tornozelos, joelhos e quadris voluntariamente durante o exercício.

A equipe responsável pelo avanço é formada por 11 cientistas da Universidade de Louisville, da Universidade da Califórnia e do Instituto de Tecnologia da Califórnia nos EUA. Os resultados sem precedentes foram conseguidos a partir de estimulação elétrica epidural contínua na medula espinhal do voluntário.

Esta estimulação imita os sinais que o cérebro normalmente transmite para iniciar um movimento. Uma vez que o sinal é dado, a própria rede neural da medula espinhal, combinada com a entrada sensorial que vai das pernas para a coluna vertebral, é capaz de direcionar os movimentos musculares e articulares, necessários para se posicionar em pé e dar passos em uma esteira com a ajuda do terapeuta.

Rob Summers consegue ficar em pé com ajuda de um suporte e movimentar voluntariamente suas pernas com assistência de terapeuta. Crédito: University of Louisville.

Rob Summers consegue ficar em pé com ajuda de um suporte e movimentar voluntariamente suas pernas com assistência de terapeuta. Crédito: University of Louisville.

Outro componente fundamental da pesquisa foi um regime extensivo de treino locomotor enquanto a medula espinhal ia sendo estimulada e o paciente permanecia suspenso por um suporte na esteira. Com ajuda de especialistas em reabilitação, as redes neurais da medula espinhal de Rob foram treinadas novamente para produzir os movimentos musculares.