Estudo mostra como misoprostol leva a defeitos neurológicos associados

Equipe analisou células neuronais de ratos para descobrir como a droga interfere em nível molecular com as prostaglandinas.

root

07 Julho 2010 | 12h47

Cytotec, cujo princípio ativo é o misoprostol, é usado ilegamente para induzir o aborto. Se fracassado, pode levar a defeitos congênitos no bebê e falhas no desenvolvimento neural, associadas ao autismo.

Cytotec, cujo princípio ativo é o misoprostol, é usado ilegamente para induzir o aborto. Se fracassado, pode levar a defeitos congênitos no bebê e falhas no desenvolvimento neural, associadas ao autismo.

Um estudo da Universidade York, no Canadá, mostrou pela primeira vez como o medicamento misoprostol, que tem sido associado a defeitos no desenvolvimento neural relacionados ao autismo, interfere na função das células neurais. A descoberta é importante porque o misoprostol é semelhante em estrutura a prostaglandinas naturais – moléculas-chave na sinalização produzida por ácidos graxos no cérebro.

Estudos anteriores demonstraram uma associação entre o misoprostol e defeitos graves no desenvolvimento neurológico, incluindo sintomas do autismo. Estes trabalhos analisaram os casos brasileiros em que mulheres usaram a droga no início da gravidez na tentativa fracassada de provocar um aborto.

Na pesquisa em questão, a equipe analisou células neuronais de ratos para descobrir como a droga interfere em nível molecular com prostaglandinas, importantes para o desenvolvimento e comunicação das células no cérebro.

“No início do primeiro trimestre de gestação, as células neurais começam a se comunicar umas com as outras”, diz Dorota Crawford, professora assistente na Faculdade de Cinesiologia e Ciências da Saúde em York. “Nosso estudo mostra que o misoprostol interfere no processo, aumentando o nível de íons de cálcio nas extensões dos neurônios, o que reduz o número e o comprimento das mesmas. Isso impede que as células se comuniquem. Se as mudanças nos níveis de prostaglandinas alteram o desenvolvimento e a diferenciação das células, pode ter um impacto fisiológico”.

Não apenas o misoprostol, que também é usado de forma segura para o tratamento e prevenção de úlceras gastrointestinais, por exemplo, pode afetar o desenvolvimento neural. Fatores ambientais, infecções ou inflamações, também podem aumentar o nível de prostaglandinas interferindo na função normal do cérebro.

Entretanto, os pesquisadores voltaram suas atenções no medicamento já que estudos clínicos anteriores indicavam efeitos perigosos da droga. Usando o misoprostol e prostaglandinas no trabalho, descobriram que ambos os compostos produziam os mesmos resultados sobre a célula neural. Os resultados mostram que quanto maior é a dose dos compostos, maior é o problema criado.

Prostaglandinas e misoprostol

São ácidos graxos produzidos por quase todas as células do corpo e que agem como hormônios. Sua ação varia conforme a célula-alvo, e sua síntese e liberação são reguladas pelo estrógeno e progesterona. Na gravidez, o excesso de estrógeno aumenta a contração do endométrio, induzindo ao aborto.

O misoprostol é a versão sintética da prostaglandina E1, usado para tratar úlceras no estômago. Entretanto, algumas mulheres usam o medicamento para abortar. Sua comercialização no Brasil é proibida para o público geral desde 1998.

Veja também:

Modelo mostra como cérebro se torna flexível durante crescimento
Equipe identifica grupo de variantes genéticas associadas ao autismo
Urina de crianças com autismo revela marcas químicas singulares
Técnica permite avaliar eficácia de tratamentos para síndrome do x-frágil
Fetos do sexo masculino respondem de forma diferente ao estresse
Esteroide encontrado em romã pode aumentar contrações uterinas