Experiências inovadoras com grafeno rendem Nobel de Física

A Academia Real de Ciências da Suécia concedeu hoje o Prêmio Nobel de Física de 2010 a Andre Geim e a Konstantin Novoselov.

taniager

05 Outubro 2010 | 12h33

Os físicos Andre Geim (direita) e Konstantin Novoselov foram agraciados pelo Nobel pelas “experiências inovadoras com o material grafeno bidimensional”. Crédito: Sergeom, Wikimedia Commons/ University of Manchester, UK.

Os físicos Andre Geim (direita) e Konstantin Novoselov foram agraciados pelo Nobel pelas “experiências inovadoras com o material grafeno bidimensional”. Crédito: Sergeom, Wikimedia Commons/ University of Manchester, UK.

A Academia Real de Ciências da Suécia concedeu hoje o Premio Nobel de Física de 2010 a Andre Geim (Sochi, Rússia, 1958) e a Konstantin Novoselov (Nizhny Tagil, Rússia, 1974) por seus trabalhos com o grafeno, uma película fina de carvão comum com propriedades excepcionais originárias do mundo da física quântica.

Os dois físicos extraíram o grafeno com uma fita adesiva comum de um pedaço de grafite encontrado em qualquer lápis. Isto foi feito quando muitos acreditavam que seria impossível manter os finos materiais cristalinos estáveis. 

Agora, o grafeno permite estudar uma nova classe de materiais bidimensionais com propriedades únicas e torna possível fazer experiências que produzem novos “insights” sobre os fenômenos da física quântica. O novo material totalmente transparente e muito denso permite uma grande variedade de aplicações práticas, incluindo a criação de novos materiais e construção de produtos eletrônicos inovadores. A previsão é de que os transistores de grafeno sejam substancialmente mais rápidos do que os de silício empregados hoje e possibilitarão desenvolver computadores bem mais eficientes.

Quando misturado em plásticos, o grafeno pode transformá-los em condutores de eletricidade, ao mesmo tempo em que os tornam mais resistentes ao calor e mecanicamente fortes. Esta resistência pode ser utilizada em novos materiais superfortes, além de finos, elásticos e leves. No futuro, carros, aviões e satélites poderão ser fabricados com os novos materiais compostos.

Os premiados deste ano trabalham juntos há muito tempo. Konstantin Novoselov uniu-se a Andre Geim, como doutorando nos Países Baixos. Posteriormente, ele seguiu com Geim para o Reino Unido. Ambos estudaram e começaram suas careiras como físicos na Rússia. No momento os dois são professores da Universidade de Manchester, Reino Unido.

Veja também:
Criador da técnica de fertilização in vitro recebe o Nobel da Medicina