"Guardiões" do cromossomo são suscetíveis a danos por radiação UV

Telômeros, sequências repetidas de DNA nas extremidades do cromossomo, tendem a ser bem mais frágeis em relação a raios ultravioletas.

root

30 Abril 2010 | 12h34

Telômeros são estruturas constituídas por fileiras repetitivas de proteínas e DNA não codificante que formam as extremidades dos cromossomos. Crédito: Yale.

Telômeros são estruturas constituídas por fileiras repetitivas de proteínas e DNA não codificante que formam as extremidades dos cromossomos. Crédito: Yale.

Pesquisadores da Universidade de Yale, nos EUA, mostraram que os telômeros, sequências repetidas de DNA no final dos cromossomos, são bem mais suscetíveis a danos por radiação ultravioleta. Estas regiões protegeriam o corpo contra o câncer e envelhecimento celular prematuro, mas são bem mais frágeis do que outras partes do corpo contra raios UV.

“Este dano não é reparado”, explica Douglas Brash, professor de radiologia terapêutica, genética e dermatologia de Yale e autor sênior do estudo. “É como se a célula decidisse adiar a manutenção dos telômeros”.

Ao longo da vida, os telômeros vão se desgastando conforme as células do corpo se dividem. Esta fragilidade deixa o corpo mais propenso a problemas, com um aumento de risco para o câncer. As extremidades do cromossomo passam a ficar mais curtas e as células começam a envelhecer, deteriorando-se e morrendo finalmente.


Em função de toda esta importância no organismo, os pesquisadores supunham que os cromossomos e os telômeros em particular tivessem um mecanismo de defesa bastante robusto. Para testar a hipótese, a equipe então bombardeou células humanas com radiação ultravioleta, encontrando dez vezes mais danos nos telômeros.

Uma resposta muito agressiva para corrigir os danos nas pontas dos cromossomos poderia desencadear problemas ainda maiores: rupturas no interior das cadeias duplas da DNA, por exemplo. Os pesquisadores especulam que esta seria uma das explicações para a incapacidade dos telômeros serem reparados após danos com os raios UV.

Veja também:

Proteína “do x frágil” altera sinais do cérebro essenciais ao aprendizado
Teste de genoma oferece diagnóstico bem mais preciso do autismo
Descoberta pode levar a novas formas de morte celular programada
Cientistas identificam variantes associadas ao envelhecimento biológico