Hemoglobina de mamute é recriada mostrando "extremidades frias"

Equipe de pesquisadores trouxe o principal componente do sangue de mamute, a hemoglobina, de volta à vida usando DNA de ossos antigos.

root

03 Maio 2010 | 20h51

Professor Alan Cooper e um osso de mamute. Crédito: Universidade de Adelaide.

Professor Alan Cooper e um osso de mamute. Crédito: Universidade de Adelaide.

Uma equipe de pesquisadores trouxe o principal componente do sangue de mamute – a hemoglobina – de volta à vida usando o DNA de ossos antigos. O material, colhido de amostras da Sibéria, tem entre 25 e 43 mil anos de idade. A partir dos resultados, os cientistas descobriram que o animal tinha a capacidade de esfriar suas extremidades nas condições adversas do Ártico. Desta maneira, minimizava a perda de calor.

“É notável trazer um complexo de proteína de uma espécie extinta, como o mamute, de volta à vida”, diz Alan Cooper, diretor do centro de DNA antigo da Universidade de Adelaide, na Austrália, onde as sequências do mamute foram feitas.

O feito permite aos persquisadores descobrir atributos fisiológicos de um animal que não existe há milhares de anos. A partir disso, é possível analisar características biomoleculares e fisiológicas de espécies extintas, mesmo para funções que não deixam vestígios no registro fóssil.

O projeto começou há sete anos. “Na época, eu pensei que era uma grande ideia, mas achei que nunca fosse funcionar”, diz Cooper. “Mesmo assim, trazer uma proteína extinta de volta é um conceito tão importante que nós temos que tentar”.

A equipe então converteu sequências de DNA em RNA, inserindo-as em E. coli. O plano deu certo, e as bactérias produziram a proteína existente no mamute.

Veja também:

Tem verme que não muda nunca: Osedax existe há 30 milhões de anos
Texacephale langstoni: nova espécie de dinossauro é descoberta nos EUA
Insetos e crustáceos têm origem em ancestral comum
Genoma de homem já extinto é sequenciado em detalhes