Hubble flagra buraco negro fora do centro de sua galáxia

Astrônomos supõem que buracos negros se localizem no centro das galáxias, mas recentemente foram pegos de surpresa.

taniager

26 Maio 2010 | 12h44

Foto da galáxia M 87 tirada pelo telescópio espacial Hubble. À direita, uma imagem em grande escala captada em 1998 pela câmera planetária (Wide-Field/Planetary Camera-2) do Hubble. As duas imagens à esquerda são fotos tiradas em 2006 pela câmara com canal de alta resolução. A posição do buraco negro supermassivo é indicada pelo ponto preto no painel esquerdo inferior e um nó do jato (HST-1) queimando, também é indicado neste painel. O ponto vermelho indica o centro de distribuição da luz da galáxia, distante do buraco negro em 22 + 3 anos-luz. Crédito: cortesia do Instituto de Tecnologia da Flórida.

Foto da galáxia M 87 tirada pelo telescópio espacial Hubble. À direita, uma imagem em grande escala captada em 1998 pela câmera planetária (Wide-Field/Planetary Camera-2) do Hubble. As duas imagens à esquerda são fotos tiradas em 2006 pela câmara com canal de alta resolução. A posição do buraco negro supermassivo é indicada pelo ponto preto no painel esquerdo inferior e um nó do jato (HST-1) queimando, também é indicado neste painel. O ponto vermelho indica o centro de distribuição da luz da galáxia, distante do buraco negro em 22 + 3 anos-luz. Crédito: cortesia do Instituto de Tecnologia da Flórida.

Astrônomos supõem que buracos negros se localizem no centro das galáxias, mas recentemente foram pegos de surpresa.  Imagens revelaram que o buraco negro supermassivo SMBH está deslocado do centro de sua galáxia conhecida como M87.

As imagens captadas pelo telescópio Hubble foram analisadas por uma equipe de pesquisadores dos Institutos Tecnológicos da Flórida e de Rochester, EUA, e da Universidade de Sussex, Reino Unido. O resultado da avaliação foi publicado ontem.

A pesquisa faz parte de um projeto maior liderado pelo professor Daniel Batcheldor, do Departamento de Física e Ciências Espaciais do Instituto da Flórida. Segundo ele, a causa provável do deslocamento do SMBH pode ser uma fusão que se deu anteriormente entre dois buracos negros mais velhos e menos massivos.

O diretor do projeto Andrew Robinson, e professor de física no RIT, explica que, teoricamente, quando dois buracos negros se fundem e se transformam em um bem mais massivo, ele é jogado para fora do centro da galáxia pela emissão de ondas gravitacionais – o jato de partícula, criado pela matéria que cai dentro do disco de acresção empurra o buraco negro. A constatação do deslocamento do SMBH prova esta hipótese.

Um buraco negro supermassivo deslocado do centro da galáxia pode levar bilhões de anos para retornar ao seu ponto inicial de repouso em uma grande galáxia difusa como é a M87. Por esta razão, a descoberta é importante para entender melhor a história das fusões de galáxias, da formação de núcleos galácticos ativos – buracos negros se tornam ativos após a fusão de galáxias e de seus núcleos – e, como galáxias ativas nascem – incluindo quasares, os objetos mais luminosos do universo.

Veja também:

Buracos negros funcionam como monstruosos ventiladores do universo
Estudo de nova classe de supernova pode explicar cálcio dos osso
Buracos negros funcionam como monstruosos ventiladores do universo
Enigma quente: sol permanece com o mesmo diâmetro há 12 anos