Incrível explosão de raios-x "cega" telescópio espacial

Brilho causado pela explosão e erupção violenta de energia mostra o que uma estrela massiva transformada em buraco negro é capaz de fazer.

root

14 Julho 2010 | 13h03

A mais brilhante explosão de raios gama já vista em raios-x cegou temporariamente o Telescópio de Raio-X Swift no dia 21 de junho de 2010. Crédito: NASA/Stefan Immler.

A mais brilhante explosão de raios gama já vista em raios-x cegou temporariamente o Telescópio de Raio-X Swift no dia 21 de junho de 2010. Crédito: NASA/Stefan Immler.

Uma das mais brilhantes explosões de raios-x já detectada fora da Via Láctea cegou temporariamente os olhos do observatório espacial da NASA. Os raios-x viajaram pelo espaço por 5 bilhões de anos antes de chegar ao telescópio Swift. O brilho intenso foi causado por uma explosão de raios gama, uma erupção violenta de energia causada pela explosão de uma estrela massiva transformada em um novo buraco negro. 

“Esta rajada de raios gama é, de longe, a fonte mais brilhante de luz jamais vista em comprimentos de onda de raios-x em distâncias cosmológicas”, diz David Barrows, cientista sênior e professor de astronomia e astrofísica da Universidade Estadual de Penn. 

Embora o telescópio Swift tenha sido projetado especificamente para estudar as explosões de raio gama, o instrumento não foi concebido para lidar com uma explosão tão brilhante. A intensidade da explosão, denominada GRB 100621A, foi inesperada – desafiando antigas suposições sobre quão poderosas poderiam ser emissões de raios-x. 

De acordo com os pesquisadores, a explosão teria sido tão brilhante que o equipamento não conseguiu contar os fótons com rapidez suficiente. “Foi como tentar usar um pluviômetro e um balde para medir a vazão de um tsunami”, ressalta Phil Evans, assistente de pesquisa e pós-doutorando na Universidade de Leicester, no Reino Unido. 

Ao recuperar os dados, os cientistas foram capazes de medir o brilho da explosão em 143 mil fotos de raios-x por segundo durante o período de maior intensidade – 140 vezes mais brilhante do que a fonte brilhante de raios-x contínuos no céu. O fator de correcção para os raios-X de GRB 100621A foi 168 vezes maior do que para uma explosão de raios gama típica, e cinco vezes maior  do que a mais brilhante explosão constatada anteriormente. 

Veja também: 

Nova hipótese sobre a origem de classe de supernovas é apresentada
Telescópio espacial Planck revela “resquícios” do Big Bang no universo
Spitzer pode esclarecer como estrelas binárias são formadas
Cientistas conseguem avaliar massa de neutrinos de forma mais precisa
Estudo revela por que enormes buracos negros se tornam ativos
Buracos negros retrógrados podem formar jatos violentos de gás