"Fora" ativa regiões do cérebro relacionadas ao vício e recompensa

Não desanime tanto: a dor da rejeição romântica pode ser uma parte necessária da vida que a natureza construiu em nossa anatomia e fisiologia.

root

06 Julho 2010 | 20h53

Não desanime tanto: a dor da rejeição romântica pode ser uma parte necessária da vida que a natureza construiu em nossa anatomia e fisiologia.

Não desanime tanto: a dor da rejeição romântica pode ser uma parte necessária da vida que a natureza construiu em nossa anatomia e fisiologia.

Errou nas expectativas amorosas e precisa de um ombro amigo? Talvez, não seja o caso: o seu cérebro pode tratar o problema de uma forma melhor. De acordo com pesquisadores do Albert Einstein College of Medicine, da Universidade Yeshiva, a rejeição por um parceiro romântico está associada a uma região do cérebro responsável pela motivação, recompensa e – um pouco pior – ao vício.

O trabalho mostra que a recompensa e os sistemas primitivos de sobrevivência são ativados em pessoas que olham para a pessoa amada. Ao usar ressonância magnética funcional (fMRI), os pesquisadores registraram a atividade cerebral de 15 adultos em idade universitária que tinham recentemente levado aquele fora, mas ainda estavam apaixonados.

Ao ver fotos de seus antigos pares românticos, várias áreas importantes do cérebro foram ativadas – incluindo a região tegmental ventral (que controla a motivação e a recompensa, conhecidamente envolvida nos sentimentos do amor), núcleo accumbens, córtex orbitofrontal e pré-frontal (relacionados a sensações como paixão e vício), córtex insular e cingulado anterior (relativo à dor física e angústia).

Os resultados da pesquisa não apenas mostram que o coração pode direcionar o cérebro, como também fornecem uma compreensão maior acerca de comportamentos extremos, como perseguição, homicídio e suicídio.

“O amor romântico, nas circunstâncias alegres ou tristes, pode ser um ‘vício natural”, ressalta Lucy Brown, professora do Departamento de Neurologia e autora correspondente do estudo. “Nossos resultados sugerem que a dor da rejeição romântica pode ser uma parte necessária da vida que a natureza construiu em nossa anatomia e fisiologia”. Significa, em termos mais simples, que o corpo está preparado para uma decepção amorosa. E que, enfim, você sairá desta.

Veja também:

Coluna de Psicologia: Regiane Canoso explica o relacionamento entre o masculino e o feminino
Escolha de parceiro é fortemente influenciada pela opinão de estranhos
Tão longe, tão perto: o mero fato de escutar a voz materna acalma