Marte pode ter abrigado grandes lagos de água líquida há cerca de três bilhões de anos

root

04 Janeiro 2010 | 18h23

Depressões traduzidas como lagos do Período Hesperiano. Crédito: NASA.

Depressões traduzidas como lagos do Período Hesperiano. Crédito: NASA.

Uma pesquisa da Imperial College London and University College London (UCL) indica que Marte já teve uma temperatura suficientemente quente para sustentar lagoas há três bilhões de anos, época até então reconhecidamente fria e árida demais para sustentar água na forma líquida. O estudo sugere que durante o Período Hesperiano, Marte teve lagos de gelos derretidos, cada um com cerca de 20 quilômetros de largura, ao longo da linha do equador.

Pesquisas anteriores indicavam que durante certo período Marte foi quente e úmido, mas que há 4 bilhões de anos, antes do Período Hesperiano, o planeta perdeu parte de sua atmosfera e se tornou frio e seco para sempre. No novo estudo, os pesquisadores analisaram imagens detalhadas da Mars Reconnaissance Orbiter da NASA, sonda que capta imagens detalhadas do planeta vermelho, e concluíram que não houve nenhum outro episódio em que Marte passou por períodos quentes e úmidos. Portanto, o aquecimento pode ter sido provocado pelo aumento da atividade vulcânica, impactos de meteoritos ou mudanças na órbita de Marte, capazes de aumentar a temperatura na atmosfera durante um tempo derretendo o gelo. Isso teria criado gases que tornaram a atmosfera mais espessa, “prendendo” por mais tempo a luz solar e tornando o planeta suficientemente quente para sustentar água no estado líquido.

Para chegar a esta conclusão, os pesquisadores analisaram as imagens de depressões localizadas acima de Ares Vallis, um desfiladeiro que corta 2 mil quilômetros do equador de Marte. Uma série de pequenos canais conectados só poderia ter sido criada por água corrente.

A equipe de pesquisadores acredita que o derretimento de gelo em Marte teria criado os lagos e que o aumento nos níveis da água teria favorecido o transbordamento destes canais, o que permitiu à água esculpir caminhos no solo gelado interligando lagos maiores e drenando os menores.

Para determinar a idade destes lagos, os pesquisadores utilizaram um método originalmente criado pela NASA para determinar períodos geológicos na Lua, através da contagem de impactos nas crateras. Embora estejam certos de que estes lagos foram formados há três bilhões de anos, eles não têm certeza de quanto tempo durou o período quente e úmido no Período Hesperiano, ou por quanto tempo estes lagos permaneceram com água líquida dentro.

Veja também:

Explosão de estrela gigante indica presença de antimatéria no espaço
Apenas 15% dos sistemas solares são como o nosso no universo
NASA identifica cinco planetas gigantes gasosos fora do Sistema Solar
Atmosfera e oceanos não foram formados por vulcões gasosos