Microrganismos nadadores têm papel chave na "nutrição" de oceanos

As experiências com dois tipos de micróbios revelam como o movimento de uma criatura pode afetar seus vizinhos.

taniager

12 Outubro 2010 | 12h54

Os pesquisadores mapearam o campo de fluxo ao redor do micróbio nadador Volvox carteri rastreando os rastros dos movimentos de minúsculas partículas. O Volvox esférico está nadando em direção ao topo da imagem e as linhas vermelhas representam o fluxo de líquido. O degrade azul representa a velocidade do líquido. Crédito: K. Drescher, R. E. Goldstein, N. Michel, M. Polin e I. Tuval, Universidade de Cambridge.

Os pesquisadores mapearam o campo de fluxo ao redor do micróbio nadador Volvox carteri rastreando os rastros dos movimentos de minúsculas partículas. O Volvox esférico está nadando em direção ao topo da imagem e as linhas vermelhas representam o fluxo de líquido. O degrade azul representa a velocidade do líquido. Crédito: K. Drescher, R. E. Goldstein, N. Michel, M. Polin e I. Tuval, Universidade de Cambridge.

Duas equipes de pesquisadores estão trabalhando em um projeto que envolve medições no fluxo de líquido, onde microrganismos nadadores se movimentam livremente. As experiências com dois tipos de micróbios revelam como o movimento de uma criatura pode afetar seus vizinhos que, por sua vez, podem levar a movimentos coletivos de grandes grupos destes organismos.

A pesquisa poderá ajudar a esclarecer como os movimentos dos nadadores microscópicos produzem agitação em grande escala importante na distribuição de nutrientes, oxigênio e substâncias químicas nos lagos e oceanos. Dois artigos descrevendo os experimentos foram publicados ontem na revista APS Physical Review Letters.

Para observar o fluxo produzido pelos microrganismos, os pesquisadores da Universidade de Cambridge controlaram o movimento de minúsculos rastros de partículas na superfície do fluido em volta de dois tipos muito diferentes de criaturas: uma forma pequena de alga verde azulada chamada Chlamydomonas reinhardtii, que nada utilizando como remos um par de flagelos parecidos com chicotes, e uma alga esférica e maior chamada Volvox carterii, que impulsiona seu movimento através de milhares de flagelos que recobre seu corpo.

As partículas de rastreamento mostraram que os dois tipos de organismos geram padrões de fluxo distintamente diferentes, que são muito mais complexos do que se supunha anteriormente.

Em outro estudo desenvolvido na Haverford College na Pensilvânia, os pesquisadores usaram uma câmera de alta velocidade para controlar o fluxo de partículas de rastreamento em volta de um único flagelo de Chlamydomonas em uma película fina, um filme bidimensional de fluido.

Os estudos podem ajudar os cientistas a desenvolver novos modelos para prever os movimentos de fluidos associados com os microrganismos aquáticos. Eles fornecerão imagens mais claras de como os micróbios misturam partículas na água e potencialmente poderão oferecer insights sobre o papel do plâncton no ciclo do carbono quando ele agita os oceanos no mundo.