Molécula regenera lesões do cérebro em modelos de Alzheimer

Affibody gruda nas moléculas beta amiloides (responsáveis pelas placas) impedindo e desmantelando aglomerações de proteínas já existentes.

root

16 Março 2010 | 14h29

A figura mostra a estrutura de duas moléculas da Affibody (azul e ciano) ligando-se a beta amiloides (laranja e vermelho). A concepção mostra como o mecanismo protege da interação e agregação das proteínas beta amiloides no cérebro. Crédito: Torleif Härd/Swedish University of Agricultural Sciences.

A figura mostra a estrutura de duas moléculas da Affibody (azul e ciano) ligando-se a beta amiloides (laranja e vermelho). A concepção mostra como o mecanismo protege da interação e agregação das proteínas beta amiloides no cérebro. Crédito: Torleif Härd/Swedish University of Agricultural Sciences.

Uma equipe de cientistas da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, e da Universidade Sueca de Ciências da Agricultura, na Suécia, descobriu uma molécula que previne o surgimento da proteína tóxica associada ao mal de Alzheimer no cérebro: a “Affibody”, produzida em laboratório por cientistas suecos. Os pesquisadores descobriram em testes laboratoriais que ela não apenas evita a formação de placas, como reverte os danos causados pelos aglomerados. Usando um modelo de moscas com Alzheimer, os pesquisadores mostraram que a mesma molécula cura os insetos com o problema.

A molécula Affibody se liga ao peptídeo beta amilóide, uma pequena proteína relacionada à doença pela formação de placas senis no cérebro  (que afetam os neurônios, células cerebrais associadas – entre tantas coisas – à memória e habilidades cognitivas). Desta maneira, impede a formação de placas no cérebro, além de desmantelar aglomerados já formados.

Em um segundo experimento, a equipe observou os efeitos do Affibody em um modelo de moscas Drosophila com Alzheimer. Cruzaram uma linhagem feita para produzir a beta amiloide com outra para produzir a Affibody. A segunda geração não desenvolveu os sintomas de Alzheimer, muito embora houvesse produção de beta amiloide.

O trabalho foi publicado hoje na PLos Biology.

Entendendo o mal de Alzheimer

O mal de Alzheimer é uma doença neurodegenerativa caracterizada por deterioração cognitiva progressiva, sendo o mais comum tipo de demência. Geralmente afeta pessoas acima dos 65 anos de idade, embora possa ser diagnosticada em indivíduos mais novos.

O primeiro sintoma da doença é a perda de memória. Depois, a pessoa sofre de confusão, irritabilidade, agressividade e falhas na linguagem. Na fase avançada, afeta as capacidades motoras.

Algumas regiões do cérebro de uma pessoa com Alzheimer começam a morrer, sendo substituídas por placas microscópicas de proteína – as chamadas placas senis.

Veja também:

Dietas ricas em metionina podem aumentar risco de Alzheimer
Pacientes com câncer tendem a sofrer menos de Alzheimer e vice-versa
Uso de celular pode melhorar memória e reverter efeitos do Alzheimer
Sonolência diurna e falta de atenção podem indicar Alzheimer
Pesquisadores mostram que maconha é ineficaz contra o Alzheimer
Alzheimer: pesquisadores mostram como função de astrócitos é afetada
Novo teste promete diagnóstico precoce e preciso do Alzheimer