Moléculas altruístas podem ter ajudado na formação das primeiras formas de vida

Longas cadeias de material genético podem ter sido formadas com ajuda de molécula "parteira",
desencadeando o incrível processo da vida na Terra.

root

09 Março 2010 | 20h15

Longas cadeias de material genético podem ter sido formadas com a ajuda de uma molécula altruísta, desencadeando o processo da vida na Terra.

Longas cadeias de material genético podem ter sido formadas com a ajuda de uma molécula altruísta, desencadeando o processo da vida na Terra.

Se ainda não podemos saber como a vida surgiu, ao menos agora cientistas podem fornecer pistas para entendermos como as primeiras moléculas de vida foram formadas. Um trabalho desenvolvido por cientistas do Instituto de Tecnologia da Geórgia, EUA, mostra que pequenas moléculas poderiam ter agido como “parteiras moleculares” para ajudar na construção de blocos de longas cadeias de material genético, bem como auxiliado na seleção de pares de bases da dupla hélice do DNA.

O DNA e o RNA poderiam ser interpretados como a matéria-prima para a criação de todos os seres vivos. Substâncias químicas, responsáveis pela transmissão de caracteres hereditários e produtores de proteínas, carregando o código genético que está registrado na sequência de suas bases.

Para os pesquisadores, há evidências de que, antes de haver enzimas de proteínas para a produção de ambos, pequenas moléculas presentes na Terra pré-biótica (anterior ao surgimento da vida no planeta) teriam ajudado na formação destes polímeros ao promoverem sua automontagem.

Durante os experimentos, os cientistas observaram que a molécula de etídio pode auxiliar oligonucleotídeos (curtos fragmentos de uma cadeia simples de DNA ou RNA) na formação de polímeros, ajudando também na seleção da estrutura de pares de bases que se juntam em duas fitas de DNA.

Um dos maiores desafios para a obtenção de um polímero é que, enquanto ele cresce, suas pontas começam a reagir umas com as outras em vez de formar cadeias longas – problema que é conhecido como ciclização. Mas, ao usar uma molécula que se liga entre pares de base vizinhas de DNA (conhecida como intercaladora), é possível formar peças curtas de DNA e RNA de forma a facilitar a criação de moléculas maiores.

A equipe testou ainda quanta influencia uma “parteira molecular” poderia ter tido na criação dos pares de base Watson-Crick (adenina com timina, guanina fazendo par com citosina). Eles descobriram que a parteira molecular usada poderia determinar a estrutura de pares de base dos polímeros formados. O etídio foi o mais útil para a formação dos polímeros, com pares de base de Watson-Crick. Outra molécula que eles chamam de AZA3 fez polímeros em que cada base A é emparelhada com outro A.

O estudo fornece boas evidências de que moléculas parteiras podem ter desencadeado o processo de criação dos primeiros seres vivos, mas não é possível afirmar que o etídio teve esta função. Agora, os pesquisadores buscam a verdadeira identidade desta molécula “mãe de todas”, responsável pela formação dos primeiros polímeros genéticos da Terra. A molécula altruísta que deu o primeiro passo no desencadeamento do complexo e explosivo surgimento da vida.

A pesquisa aparece no Proceedings of the National Academy of Sciences.

Veja também:

Novo método “mede” tamanho e idade do universo com mais precisão
Canais em Marte podem ter sido produzidos por fluxo de lavas e não de água
Atmosfera e oceanos não foram formados por vulcões gasosos
Tamanho do Homo floresiensis pode ser resultado de seleção natural