Qualidade da água pode favorecer infestação de mosquito da dengue

root

18 Janeiro 2010 | 17h15

Fêmea do Aedes aegypti precisa de sangue para o amadurecimento de ovos, depositados junto a extensas superfícies de água limpa.

Fêmea do Aedes aegypti precisa de sangue para o amadurecimento de ovos, depositados junto a extensas superfícies de água limpa.

Nem só de água parada vive o mosquito da dengue. Pelo menos é o que indica o estudo inédito realizado pela Secretaria do Estado da Saúde de São Paulo, que mostra uma relação direta entre a composição físico-química da água e a infestação por larvas do Aedes aegypti, transmissor da doença.

Intrigados pelo fato de que algumas ações de combate ao mosquito não estavam surtindo efeitos desejados em algumas regiões, pesquisadores da Superintendência de Controle de Endemias, órgão da secretaria responsável pelo auxílio aos municípios no trabalho de controle da dengue, realizaram um trabalho no Vale do Paraíba – onde o maior índice de Breteau (valor que define a quantidade de insetos em fase de desenvolvimento encontrada nas casas) foi atingido no Estado. Em algumas casas com caixa d’água abastecidas por água clorada e com flúor apresentaram altos índices de positividade em relação à presença de larvas, enquanto em moradias que usavam águas de poços rasos este problema não existia.

Uma comparação entre recipientes de água coletada e recipientes de água destilada aponta que a alta concentração de nitrogênio amoniacal em água atraiu o Aedes aegypti para oviposição. A volatização da substância provavelmente foi o atrativo químico responsável pela orientação do voo de fêmeas grávidas em direção aos recipientes onde colocaram seus ovos.

Nitrogênio amoniacal

O nitrogênio amoniacal pode estar presente na água natural em baixos teores, tanto na forma ionizada (NH4+), como na forma tóxica não-ionizada (NH3), como resultado do processo de degeneração biológica de matéria orgânica animal e vegetal. Dependendo da qualidade da água, esta amônia pode acumular ou se transformar em nitrito/nitrato por ação de bactérias aeróbicas. Sua presença excessiva na água aponta também que o ambiente tem baixo índice de oxigênio.