Café pode reduzir as chances de mulher desenvolver diabetes

Pesquisadores da Universidade da Califórnia descobriram um possível mecanismo molecular por trás deste efeito protetor.

root

13 Janeiro 2011 | 12h47

Além de acordar, o café pode proteger contra o diabetes tipo 2. Pesquisadores da Universidade da Califórnia em Los Angeles, nos EUA, descobriram um possível mecanismo molecular por trás deste efeito protetor: uma proteína chamada globulina ligadora de hormônios sexuais (SHBG, do inglês sex hormone-binding globulin) regula a atividade biológica dos hormônios sexuais do corpo – testosterona e estrogênio – que há tempos tem sido associados à doença. O consumo de café aumenta os níveis de plasma de SHBG.

De acordo com os pesquisadores, mulheres que tomam pelo menos quatro copos de café ao dia têm 56% menos chance de desenvolver o diabetes tipo 2. Os estudos demonstram que quanto maior o consumo, menor o risco. Acreditava-se que isso ocorria porque a bebida melhorava a tolerância do organismo à glicose, aumentando o metabolismo, ou melhorando a tolerância à insulina.

“Agora sabemos que esta proteína, a SHBG, é crítica como uma meta inicial para a avaliação do risco e da prevenção do aparecimento do diabetes”, diz Simin Liu, professor de medicina e epidemiologia na universidade. Trabalhos anteriores da equipe identificaram duas mutações no gene que codifica a SHBG, e seus efeitos no risco de se desenvolver diabetes tipo 2: um aumenta o risco, enquanto outro diminui – dependendo dos níveis de SHBG no sangue.

Diversos estudos clínicos mostraram o importante papel de hormônios sexuais no desenvolvimento do diabetes tipo 2, e se sabe que a SHBG não regula apenas os hormônios sexuais que estão biologicamente ativos, mas também se liga aos receptores em várias células, mediando diretamente a sinalização destes hormônios.

“Esta evidência genética é um avanço significativo na área”, ressalta Atsushi Goto, primeiro autor do estudo. “Isso indica que a SHBG pode realmente desempenhar um papel crucial no risco de se desenvolver o diabetes 2”.

Ao que parece, a SHBG no sangue pode refletir uma predisposição genética ao diabetes. Entretanto, os pesquisadores estão demonstrando que ela pode ser influenciada por fatores de alimentação como o consumo de café. Para chegar aos resultados, a equipe avaliou 359 novos casos de diabetes que foram comparados por idade e etnia a 359 indivíduos do grupo de controle.

Veja também:

–  Como nós, alguns suricatos também gostam de acordar mais tarde
Metirapona ajusta relógio biológico de ratos que sofrem de “jet lag”
Consumo diário de gengibre diminui dores musculares
Cafeína retarda danos do Alzheimer e restaura funções cognitivas
Quer emagrecer? Exclua o xarope de milho rico em frutose da sua dieta