Na ponta da língua? Equipe descobre receptores gustativos nos pulmões

Descoberta de que órgão responde ao sabor amargo pode revolucionar o tratamento da asma e outras doenças pulmonares obstrutivas.

root

25 Outubro 2010 | 11h30

Pesquisadores da Universidade de Maryland descobriram que receptores do sabor amargo não estão apenas localizados na boca, mas também nos pulmões humanos. A descoberta pode revolucionar o tratamento da asma e outras doenças pulmonares obstrutivas.

“A detecção de receptores de sabor no funcionamento da musculatura lista dos brônquios dos pulmões foi tão inesperada que estávamos, no início, bastante céticos”, diz Stephen Ligget, autor sênior do estudo. A equipe havia encontrado os receptores gustativos por acidente, durante um estudo de receptores musculares que regulam a contração e o relaxamento muscular das vias aéreas – caminhos por onde entra e sai o ar, em uma das várias etapas críticas do processo de fornecimento de oxigênio para as células do corpo. Na asma, o músculo liso das vias aéreas se contrai impedindo o fluxo de ar, causando chiado no peito e falta de ar.

Os receptores gustativos nos pulmões são os mesmos existentes na língua, encontrados em grupo nas papilas gustativas para captar e enviar sinais ao cérebro. No pulmão, os receptores não são agrupados em gemas e também não enviam sinais ao cérebro, embora respondam a substâncias com gosto amargo. Entretanto, os pesquisadores observaram que a resposta é um pouco diferente do que ocorre na língua.

“Aconteceu que os compostos amargos trabalharam no sentido oposto do que pensávamos”, diz Ligget. “Todos abriram as vias aéreas de forma mais ampla que qualquer droga conhecida que temos para o tratamento da asma ou doença pulmonar obstrutiva crônica”. O pesquisador afirma que a observação pode ter implicações para novas terapias. “Novas drogas para tratar a asma, enfisema ou bronquite crônica são necessárias e isso pode substituir ou melhorar o que já está em uso, representando uma abordagem completamente nova”.

Outro aspecto paradoxal da descoberta é o inesperado papel que o cálcio exerce sobre os receptores do pulmão quando estes são ativados. “Nós sempre assumimos que o aumento de cálcio nas células musculares lisas causa a contração das mesmas, mas descobrimos que compostos amargos de cálcio aumentam o relaxamento das vias de forma única”.