Nanopartículas de ouro podem acelerar produção de proteínas

Cientistas aproveitam característica "pegajosa" de material para acelerar tradução do DNA na produção de proteínas em laboratório.

root

11 Junho 2010 | 16h06

Nanopartículas de ouro podem acelerar produção de proteínas em laboratório.

Nanopartículas de ouro podem acelerar produção de proteínas em laboratório.

Nanopartículas de ouro estão se mostrando úteis para diversas utilizações, entre elas a entrega de medicamentos dentro do corpo e ataque de células cancerosas, por exemplo. A ideia parece bastante promissora, mas nem tudo é perfeito: estas nanopartículas são pegajosas demais. Significa que embora atraiam moléculas específicas, acabam se grudando a outras indesejáveis – o que por vezes inviabiliza o trabalho.

Mas, como diz o ditado, se a vida lhe oferecer um limão, faça uma limonada: pesquisadores do Massachusttes Institute of Technology, nos EUA, aproveitaram esta viscosidade para dobrar a quantidade de proteína produzida em laboratório. O que antes era limitado pela velocidade e desdobramentos do processo, agora é impulsionado pela capacidade que as nanopartículas têm em acelerar a tradução do DNA.

Além disso, a utilização da nova técnica usando nanopartículas de ouro pode ter outras aplicações. Combinada com nanotubos de carbono, poderia servir como suporte para o transporte de medicamentos entre as células, já que a viscosidade aumenta a velocidade e a precisão do sistema.

Veja também:

Nova tecnologia permite transferência muito mais rápida de calor
Nanoesponjas podem triplicar atuação da quimio contra o câncer
Experimentos com nanopartículas trazem à tona propriedade nunca vista antes
Fenômeno em nanoescala permite criação de dispositivos portáteis
Nanotubos de carbono podem ajudar luta do corpo contra o câncer
Nanotubos de alta voltagem podem produzir “buracos negros”