Identificada área do cérebro responsável pela "avareza"

Teste com pessoas cujas amigdalas foram parcialmente destruídas mostra que aversão à perda é controlada por uma região específica do corpo.

root

09 Fevereiro 2010 | 15h33

Pessoas com amigdalas danificadas não apresentam aversão à perda de dinheiro.

Pessoas com amigdalas danificadas não apresentam aversão à perda de dinheiro.

Neurocientistas do Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech), nos EUA, conseguiram vincular a aversão humana pela perda de dinheiro a uma estrutura específica do cérebro: a amígdala. A descoberta apresenta tanto uma visão do comportamento econômico, como também sobre o papel da amígdala cerebral – dois aglomerados de tecidos em formato de amêndoas localizados no lobo temporal medial.

Até então, a amígdala esteve sempre associada a reações emocionais, tendo um papel importante na depressão, ansiedade e autismo. O estudo atual envolveu a análise de dois pacientes cujas amígdalas tinham sido destruídas após uma doença genética muito rara. Estes pacientes, junto com outros indivíduos com a amígdala em perfeito funcionamento, participaram de uma tarefa experimental simples de economia.

Os indivíduos foram questionados se estavam ou não dispostos a aceitar uma variedade de apostas monetárias – cada um com diferentes possibilidades de ganho ou de perda. Por exemplo: eles aceitariam entrar em um jogo que havia uma probabilidade igual em ganhar $20 ou perder $5? A maioria das pessoas aceitaria o desafio. Aceitariam entrar num jogo com chances de ganhar iguais às chances de perder? A maioria negaria a proposta. Eles também foram convidados a entrar num jogo em que se ganhava $20 e se perderia $15, um risco que a maior parte das pessoas iria rejeitar, mesmo que o resultado fosse positivo.

Os pacientes com a amígdala danificada arriscaram bem mais nos jogos do que indivíduos da mesma idade e com a mesma educação que tinham amígdalas saudáveis. Na verdade, o primeiro grupo inclusive não mostrou nenhum tipo de aversão à perda monetária, em nítido contraste com os demais.

“A aversão à perda monetária foi estudada em economia comportamental durante algum tempo, mas esta é a primeira vez que os pacientes apresentaram ausência absoluta deste sentimento”, explica Benedetto de Martino, um dos responsáveis pelo estudo. “Acreditamos que a amígdala é fundamental para o desencadeamento de um sentimento de cautela em apostas em que você pode perder”. A função desempenhada pela amígdala pode ser semelhante ao papel que exerce no medo e ansiedade.

Veja também:

Homossexualismo em Samoa: ausência de filhos é “compensada” por cuidado extra com sobrinhos
Botox pode mudar a forma como uma pessoa interpreta emoções
Transistor orgânico alimenta sonho de computador similar ao cérebro
Sem crise: homens realmente sentem menos culpa do que as mulheres
Capacidades de cognição permanecem inalteradas em grávidas e mães
Motorista perde 20% da habilidade de memorizar enquanto dirige