Vermes podem ajudar no desenvolmento de sistema imunológico funcional

Pesquisadores acreditam que a erradicação destes vermes em países desenvolvidos pode estar associada ao aumento de doenças autoimunes.

root

14 Junho 2010 | 21h03

O T. trichiura é um verme fusiforme nemátode. Crédito: Wikipedia.

O T. trichiura é um verme fusiforme nemátode. Crédito: Wikipedia.

Pode parecer nojento, mas alguns parasitas podem ajudar o sistema imunológico. Iogurtes probióticos, por exemplo, estimulam a produção de bactérias amigas no seu estômago (pesquisas recentes têm mostrado que eles podem inclusive diminuir riscos de infecção em recém-nascidos). Um novo estudo, conduzido pela Universidade de Manchester, no Reino Unido, mostra que este benefício pode ser dado por organismo um pouco maiores. Como o verme Tricuríase.

“Os vermes estiveram conosco ao longo da nossa evolução e sua presença no ecossistema do intestino é, junto com as bactérias, importante para o desenvolvimento de um sistema imunológico funcional”, diz Ian Roberts, um dos responsáveis pela pesquisa.

De acordo com os pesquisadores, a erradicação destes vermes em países desenvolvidos pode estar associada com o aumento de doenças autoimunes, em que o sistema imunológico de uma pessoa acaba “lutando” contra o próprio organismo. Em países em desenvolvimento, em que ocorrem mais infecções por parasitas, alergias e doenças autoimunes são menos frequentes.


“Não estamos sugerindo que as pessoas devam deliberadamente se infectar com vermes parasitas, mas estamos dizendo que esses patógenos podem fazer coisas que ajudam o sistema imunológico”, ressalta Richard Grencis, co-autor do estudo. “Evoluímos tanto com os insetos e vermes e existem consequências desta interação, então elas são importantes para o desenvolvimento de nosso sistema imunológico”.

Verme amigo

O Tricuríase é um tipo comum de verme parasite que infecta muitas espécies de animais, incluindo seres humanos, vivendo no intestino grosso – a mesma região onde vive a maioria das bactérias. Infecções graves podem causar diarréias com sangue, levando à anemia e até mesmo prolapso retal. Entretanto, infecções leves têm poucos sintomas.

A equipe descobriu que a infecção do verme é iniciada por uma interação entre as bactérias do intestino e o parasita. Além disso, descobriram que várias bactérias são capazes de induzir a incubação do parasita. A E. coli, por exemplo.

“Os hospedeiros usam seus sistemas imunológicos para regular o dano causado por bactérias nos intestinos”, ressalta Roberts. “Se os patógenos estão em falta, o sistema imunológico pode não dar a resposta certa. Isso significa que o intestino e seus parasitas devem ser considerados um ecossistema completo.

Veja também:

Bactéria usada como inseticida é eficaz no tratamento de lombrigas
Tem verme que não muda nunca: Osedax existe há 30 milhões de anos
Probióticos reduzem pela metade risco de morte em bebês prematuros
Ácido graxo inibe proteína que atua prevenindo a infecção da cólera