Terapia recupera toda a função motora em ratos após acidente vascular

taniager

14 Janeiro 2010 | 16h02

James Fallon mobiliza as células-tronco preexistentes, fazendo com que elas proliferem, migrem e, eventualmente, se diferenciem em novas células (mostrado pela área vermelha) que preencherão o cérebro danificado, devolvendo a função para a vítima de derrame. (Crédito: Foto por Daniel A. Anderson / Universidade de Comunicações)

James Fallon mobiliza as células-tronco preexistentes, fazendo com que elas proliferem, migrem e, eventualmente, se diferenciem em novas células (mostrado pela área vermelha) que preencherão o cérebro danificado, devolvendo a função para a vítima de derrame. (Crédito: Foto por Daniel A. Anderson / Universidade de Comunicações)

Uma nova terapia está sendo desenvolvida para recuperar a função motora perdida após um acidente vascular. A função motora do membro afetado poderá ser recuperada, mesmo depois de muito tempo da ocorrência do acidente, se uma proteína suplementar atuar tão bem em seres humanos como atuou em ratos paralisados.

A proteína chamada TGF alfa (em inglês, Transforming Growth Factor alpha) é natural no ser humano. Ela restaurou 99% do movimento perdido ao ser aplicada diretamente no cérebro de ratos que sofreram um acidente vascular. Administrada através do nariz, 70% do movimento perdido foi recuperado. Ratos não tratados melhoraram em apenas 30%. Este é o resultado de dois estudos realizados pela Dra. Magda Guerra-Crespo e sua equipe na Universidade da Califórnia – Irvine, EUA.

A TGF alfa tem um papel crítico na formação de tecidos e no desenvolvimento do ser humano, desde sua concepção até a idade avançada. Ela tem sido estudada em outros sistemas orgânicos há vinte anos, mas nunca havia mostrado sua capacidade de reverter sintomas de um derrame.

James Fallon, professor de psiquiatria e comportamento humano e coautor sênior do estudo, argumenta que a descoberta é uma evidência de que pode haver terapias que reparem danos em um grau substantivo muito tempo depois do acidente vascular cerebral. Ela é significativa porque atualmente não existem medicamentos que recuperem danos em poucos dias. 

Como a TGF alfa atua

A TGF alfa estimula o crescimento dos neurônios. Primeiramente, ela faz com que células-tronco adultas no cérebro se dividam e novas células sejam então criadas. Estas células se transformam em células do cérebro e se mudam para a parte lesada do cérebro, substituindo neurônios perdidos no derrame. Os cientistas acreditam que os novos neurônios ajudam a restaurar a função motora.