Novo medicamento contra câncer de pulmão mostra bons resultados

Pesquisadores dão início à Fase III dos ensaios clínicos para avaliar se medicamento é melhor do que a quimioterapia padrão.

root

22 Junho 2010 | 22h03

Câncer de pulmão de células não-pequenas é o tipo mais comum da doença, atingindo 75% dos pacientes com câncer de pulmão.

Câncer de pulmão de células não-pequenas é o tipo mais comum da doença, atingindo 75% dos pacientes com câncer de pulmão.

O medicamento crizotinib, que está sendo desenvolvido pela Pfizer, está mostrando bons resultados em pacientes com câncer de pulmão de células não-pequenas. As pesquisas avançam agora para a Fase III de ensaios clínicos (com seres humanos).

“Os resultados dos dois primeiros testes têm sido muito encorajadores”, diz Lyudmila Bazhenova, professora assistente na Universidade da Califórnia em San Diego e membro do UCSD Moores Cancer Center, onde a droga está sendo testada. “Os ensaios clínicos da Fase III serão cruciais para determinar se este medicamento vai para o mercado”.

Um estudo preliminar apresentado na reunião da American Society of Clinical Oncoly 2010 mostrou que os ensaios clínicos Fase I e II demonstraram que 57% dos pacientes tiveram tumores reduzidos em menos de oito semanas de tratamento e 87% das pessoas apresentaram estabilização da doença.


Os novos ensaios devem comparar a eficácia da crizotinib com a quimioterapia padrão para pacientes considerados NSCLC ALK-positivo, ou seja, pacientes de câncer de pulmão de células não-pequenas cujo gene quinase de linfoma anaplásico (ALK) pode se fundir a outro gene, o EML4 – produzindo então uma enzima que promove o crescimento de células cancerosas no pulmão. Esta condição afeta cerca de 4% dos pacientes com a doença. A crizotinib inibe a enzima perigosa, favorecendo a morte das células do câncer.

Veja também:

Vitamina B6 pode reduzir risco de câncer de pulmão em até 50%
Brasileiros identificam biomarcador para prognóstico de câncer de pulmão
Cartilagem de tubarão é ineficaz contra câncer de pulmão
Pesquisa mostra potencial anticancerígeno do leite materno
Vírus reprogramado pode encontrar, modificar ou destruir células do câncer
Biomarcadores podem iniciar era de terapias personalizadas
Assinatura no gene pode indicar se câncer é resistente à quimioterapia