Pesquisa mostra benefícios da maconha no tratamento da dor

Cannabis pode oferecer alívio a pacientes que sofrem de dores neuropáticas - associadas a lesões nos nervos - crônicas.

root

31 Agosto 2010 | 12h07

Para o estudo, os pacientes consumiram doses baixas (25mg) de cannabis inalada, contendo cerca de 10% de THC, o ingrediente ativo da maconha.

Para o estudo, os pacientes consumiram doses baixas (25mg) de cannabis inalada, contendo cerca de 10% de THC, o ingrediente ativo da maconha.

O uso medicinal da cannabis (maconha) tem sido há anos debatido entre pesquisadores, médicos e políticos como alternativa a tratamentos padrões para a dor (que não são tão eficazes ou que podem ser acompanhados de efeitos colaterais). Um novo estudo conduzido pela Universidade McGill, no Canadá, fornecem agora evidências de que a maconha pode realmente oferecer alívio a pacientes que sofrem de dores neuropáticas – associadas a lesões nos nervos – crônicas.

“Este é o primeiro estudo a ser realizado quando os pacientes foram autorizados a fumar maconha em casa e  serem acompanhados diariamente”, diz Mark Ware, principal autor do estudo.

Para o estudo, os pacientes consumiram doses baixas (25mg) de cannabis inalada, contendo cerca de 10% de THC, o ingrediente ativo da maconha. A inalação, usando um tubo, foi realizada três vezes ao dia durante cinco dias. Os resultados mostraram modesta redução da dor em pessoas que sofrem de dor neuropática crônica nos primeiros dias.

Além disso, os pesquisadores observaram que o humor e o sono destes pacientes melhoraram. “Os pacientes que analisamos sofriam de dores causadas por danos no sistema nervoso após traumas ou cirurgias e que não foram controladas utilizando terapias convencionais”, explica Mark Ware, principal autor do estudo. “Este tipo de dor ocorre mais frequentemente do que as pessoas imaginam, e há poucos tratamentos eficazes disponíveis. Para eles, a cannabis medicinal é vista às vezes como a última esperança”.

Apesar dos resultados, estudos em larga escala com doses mais altas de THC e mais tempo de análise são necessários para avaliar a eficácia e segurança do uso da maconha medicinal em longo prazo. “Nosso desafio como pesquisadores é continuar a conduzir estudos clínicos rigorosos na utilização médica da cannabis com atenção forte aos detalhes, como qualidade e dosagem”, ressalta Ware. “Isso permitirá a nós lançar o debate adiante fornecendo dados clínicos confiáveis”.

Veja também:

Vício mental: cérebro pode ser ensinado a controlar desejo de fumar
Companhia “ruim” pode aumentar “tendência genética” para o vício
Identificado mecanismo que determina “tendência” ao vício em cocaína
Vacina contra tabagismo pode ficar pronta em 2012